Velloza em Pauta

2/05/2017 em Velloza em Pauta

02 de maio de 2017

O mês de maio promete diversos julgamentos importantes pelas Cortes Superiores em matéria tributária. Alguns temas que aguardam há anos uma definição, como é o caso da exigência das contribuições sociais das instituições financeiras com alíquota majorada, estão na pauta do Supremo Tribunal Federal de 24/05.
O Superior Tribunal de Justiça, por meio de sua Segunda Turma, deve julgar pela primeira vez um caso envolvendo a possibilidade de cobrança de contribuição social sobre a participação nos lucros paga aos administradores das sociedades por ações, prevista na Lei nº 6.404/76.
Abaixo, um resumo dos principais julgamentos em matéria tributária que serão acompanhados pelo Velloza Advogados e reportados por meio do boletim Velloza Ata de Julgamento.

Boa leitura!

STJ

2ª Turma – 02/05

RESP nº 1.650.783 – Min. Herman Benjamim (consta do site que o julgamento será adiado)
Porto Seguro Companhia de Seguros Gerais x União
Tema: Contribuição previdenciária sobre a participação nos lucros atribuída aos diretores/administradores das sociedades por ações.

O mês começa com um julgamento inédito no STJ, a ser realizado pela Segunda Turma.
Trata-se de possibilidade de incidência de contribuição previdenciária sobre a participação nos lucros atribuída aos diretores/administradores das sociedades por ações.
Como é sabido, em 2014, o STF firmou interpretação no sentido de o artigo 7º, IX, da CF, que prevê o direito dos trabalhadores a participação nos lucros e resultados nos termos da lei, ser dependente de regulamentação para que possa exonerar as pessoas jurídicas do pagamento de contribuição previdenciária sobre a PLR paga aos seus funcionários (RE nº 569.441).
No caso dos trabalhadores empregados, a regulamentação ocorreu por meio da MP nº 794/94, posteriormente convertida na Lei nº 10.101/00.
Ocorre que a participação nos lucros dos administradores já era e continua a ser regulamentada pela Lei nº 6.404/76 (Lei das SA).
Sendo assim, caberá ao STJ definir se as disposições da LSA são suficientes para regulamentar o benefício da PLR paga aos diretores/administradores, de modo a possibilitar a sua exclusão da base de cálculo da contribuição previdenciária.

1ª Seção – 10/05

ERESP 1467095 – Relator: Mauro Campbell Marques
Fazenda Nacional x Condor Super Center LTDA.
Tema: Incidência de contribuição previdenciária sobre o auxílio de quebra de caixa

A Primeira Seção prossegue com o julgamento dos embargos de divergência quanto à definição da incidência da contribuição previdenciária sobre o auxílio de quebra de caixa.
O recurso de uniformização coloca em confronto as posições da Primeira e da Segunda Turma, respectivamente contra e a favor da incidência da contribuição previdenciária patronal sobre o auxílio de quebra de caixa, pago aos funcionários que lidam com valores em espécie e que visa à cobertura de eventuais diferenças verificadas.
A questão é, portanto, definir se o referido valor tem função de indenizar o empregado em razão do desempenho de atividade de risco, evitando a redução de sua remuneração para cobrir eventuais diferenças de caixa ou se, por outro lado, trata-se de complemento à remuneração, sujeito, portanto, à contribuição previdenciária.
Até o momento, o ministro Relator, Mauro Campbell, e a ministra Regina Costa se posicionaram contra a tributação, enquanto os ministros Benedito Gonçalves, Assusete Magalhães, Sergio Kukina e Og Fernandes votaram pela incidência.
Na sessão do dia 10 de maio deverá ser apresentado o voto-vista do Ministro Gurgel de Faria, faltando votar ainda os ministros Francisco Falcão e Napoleão Nunes Maia Filho.

2ª Turma – 23/05

RECURSO ESPECIAL REsp nº 1665120 – Min. Herman Benjamim
FAZENDA NACIONAL x BANCO CIDADE S/A
Tema: IOF Câmbio sobre a prorrogação de empréstimo por meio do lançamento de títulos no exterior. Operação simbólica de câmbio

No julgamento de recurso especial da Fazenda Nacional, a Segunda Turma decidirá se mantém o acórdão que julgou procedente o pedido formulado por banco para não sujeitá-lo ao pagamento de IOF incidente sobre operações de liquidação simbólica de câmbio, a que foi compelido a fim de obter novo registro perante o BACEN para prorrogação dos contratos de empréstimo obtido no exterior. O acórdão recorrido se baseia na interpretação de que nas renovações dos contratos não há ingresso ou saída de valores, ocorrendo apenas um novo registro de operações perante o BACEN.
Embora não existam precedentes específicos para o IOF, convém lembrar que o STJ pacificou a sua jurisprudência no sentido de incidir a CPMF sobre operações simbólicas de câmbio, realizadas por exigência do BACEN.
Não obstante, o fundamento do acórdão do TRF3 no caso ora analisado é no sentido de o fato gerador do IOF câmbio exigir a colocação efetiva da moeda à disposição do sujeito passivo, o que, a princípio, pode indicar uma solução diversa daquela aplicada à CPMF, cuja lei de regência tratava de forma específica da circulação escritural de moeda.

STF

Plenário– 24/05

RE nº 656.089 – Min. Dias Toffoli
Mercantil do Brasil Financeira S/A – Crédito, Financiamento e Investimentos x União
Tema: Reserva de lei para a majoração da alíquota da COFINS de 3% para 4%.

No referido julgamento, o STF decidirá se foi constitucional o aumento, por meio do art. 18 da Lei nº 10.684/2003 (4% para 5%) da COFINS para empresas do segmento financeiro e equiparadas.
O que está em jogo é a violação ao princípio da igualdade em sua perspectiva material, porquanto qualquer discriminação pautada exclusivamente na atividade econômica exercida contraria o art. 150, II, da Constituição Federal.
Além disso, a tributação arrimada à autorização concedida pelo art. 195, § 9º, da CF, deve se arrimar aos demais princípios limitadores da atividade tributária, em especial ao da capacidade econômica, sendo certo, ainda, que a COFINS não permite tal diferenciação, pois baseada no faturamento e não no lucro das pessoas jurídicas.
Há, ainda, a invocação do princípio da solidariedade no custeio da Seguridade Social, pois não é lícito onerar de forma arbitrária um determinado segmento econômico, ou seja, sem que tal diferenciação esteja baseada em critério juridicamente e constitucionalmente válido.
Veja o nosso comentário sobre as perspectivas no RE nº 599.309 (abaixo).

RE nº 578.846 – Min. Dias Toffoli
Santos Corretora de Câmbio e Valores x União
Tema: exigência da contribuição para o PIS no período de vigência do art. 72 do ADCT, com a redação conferida pela Emenda Constitucional nº 10/96.

No julgamento do recurso em questão, o STF decidirá sobre a validade da exigência da contribuição ao PIS das instituições financeiras e equiparadas com base na receita bruta operacional, conforme definido na legislação do imposto de renda (artigo 72, V, do ADCT) pois, embora o artigo 12 do Decreto-lei nº 1.598/77 definisse, à época, que a receita bruta operacional era composta pelas receitas oriundas das vendas de mercadorias e da prestação de serviços, bem como das operações auferidas por conta alheia, a Fazenda Nacional entende que não apenas as referidas receitas eram base da contribuição ao PIS no período, mas também todas as demais receitas integrantes do lucro operacional (arts. 17 e 18, do Decreto-Lei 1598/77), o que envolve também o resultado das operações financeiras das instituições financeiras e as receitas de seguro das seguradoras, como é o caso da empresa recorrente no caso concreto.
Essa compreensão, quanto à extensão da base de cálculo a partir do art. 72, V do ADCT conjugado com a MP nº 517/94 e reedições (convertida na Lei nº 9.701/98), acabou sendo acolhida pelo TRF3 e é contestada no recurso extraordinário da seguradora.
Saliente-se, ainda, que na própria manifestação do ministro relator quando do acolhimento da repercussão geral da matéria, restou reconhecido que a violação perpetrada pela Emenda Constitucional nº 10/96 às regras da irretroatividade e da anterioridade nonagesimal já fora reconhecida com status de repercussão geral no RE n° 587.008. Ademais, o Plenário virtual ratificou recentemente a jurisprudência que demanda a aplicação das referidas regras com relação à exigência do PIS com base na EC 17/97 (RE 848353 RG, Relator(a): Min. TEORI ZAVASCKI, julgado em 12/05/2016, PROCESSO ELETRÔNICO REPERCUSSÃO GERAL – MÉRITO DJe-105 DIVULG 20-05-2016 PUBLIC 23-05-2016 ).
O recurso extraordinário também questiona a exigência da contribuição para o PIS apenas das instituições financeiras e equiparadas com alíquota superior àquela suportada pelas demais empresas, o que, defende a recorrente, ofende a isonomia.
Embora existam alguns precedentes da Corte afirmando a constitucionalidade da base de cálculo da contribuição no período em questão, em se tratando da primeira manifestação do Plenário do STF sobre o assunto, aguarda-se um debate amplo do tema, com possibilidade de reconhecimento da inconstitucionalidade parcial da exigência, nos termos acima descritos (limitação à definição do artigo 12 do DL 1.598/77).
É oportuno observar que o artigo 12 do Decreto-Lei nº 1.598/78 teve a sua redação alterada pela Lei nº 12.973/14, passando a contemplar, como integrante da receita bruta operacional, não só as receitas de vendas de bens e serviços, mas todas aquelas vinculadas à atividade ou objeto principal da pessoa jurídica não compreendidas nos incisos I a III.
Uma interpretação coerente que se espera da Corte é no sentido de que a cobrança sobre receitas diversas daquelas anteriormente enumeradas pelo artigo 12 do Decreto-Lei nº 1.598/77 só pode ocorrer a partir de janeiro de 2015 (entrada em vigor da Lei nº 12.8973/14).
Por fim, como bem pontuado pelo ministro relator, a controvérsia tratada nesse recurso extraordinário refletirá diretamente no período de vigência das Emendas Constitucionais nº 1/94 e nº 17/97, as quais dispuseram sobre a referida base de cálculo nos mesmos termos.

Recurso Extraordinário nº 570.122 – Min. Marco Aurélio
Geyer Medicamentos S/A x União
Tema: Saber se constitucional a ampliação da base de cálculo e da majoração da alíquota da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social – COFINS instituída pela Lei nº 10.833/2003, resultante da conversão da Medida Provisória nº 135/2003.

Trata-se de questionamento acerca da constitucionalidade da instituição do regime não cumulativo da COFINS, o que implicou na modificação da base de cálculo e aumento de alíquota de 3% para 7,6%.
Coloca-se em discussão a ofensa ao art. 246 da CF em razão da regulamentação por medida provisória de dispositivo constitucional alterado entre 1995 e 2001.
Entre outros aspectos, é relevante pontuar que o recurso questiona a possibilidade de limitação da regra da não cumulatividade, prevista constitucionalmente, por legislação ordinária, argumentando-se que “todos os fatores produtivos devem ser deduzidos da base de cálculo, especialmente a mão-de-obra.”
O julgamento será retomado com a apresentação de voto-vista do Min. Dias Toffoli, sendo certo que, até o momento, somente o Relator deu provimento parcial ao recurso (na parte conhecida) e reconheceu a inconstitucionalidade da Lei nº 10.833/2003. Há cinco votos negando provimento ao recurso do contribuinte, ou seja, julgando válida a exigência em debate.

RE nº 599.309 – Min. Ricardo Lewandowski
Lloyds Bank PLC X União
Tema: constitucionalidade da exigência da contribuição adicional de 2,5% sobre a folha de salários de instituições financeiras, estabelecida antes da EC 20/98.

Em março de 2016, ao julgar o RE nº 598.572 (Banco Dibens X União), o STF decidiu que a mera previsão de alíquotas diferenciadas para instituições financeiras não leva ao reconhecimento da inconstitucionalidade da contribuição social adicional de 2,5% sobre a folha de pagamentos.
Embora o referido julgamento tenha se limitado ao período posterior à Emenda Constitucional nº 20/98, que incluiu o § 9º no artigo 195 da CF para autorizar a cobrança das contribuições sociais com alíquotas diferenciadas em razão do segmento econômico do contribuinte ou do uso intensivo de mão de obra, a maioria dos ministros presentes àquela sessão entendeu que, mesmo antes da referida alteração constitucional, era possível cobrar a exação em patamares diferenciados para instituições financeiras.
Portanto, vemos como baixa a probabilidade de julgamento da tese a favor dos contribuintes no referido julgamento, o qual deverá valer não apenas para a contribuição sobre a folha de pagamentos, mas também para a contribuição social sobre o lucro das instituições financeiras.

VELLOZA EM PAUTA É UM INFORMATIVO DE JURISPRUDÊNCIA QUE SELECIONA CASOS RELEVANTES EM PAUTA NOS TRIBUNAIS, CONFORME INFORMAÇÕES PUBLICADAS PELAS PRÓPRIAS CORTES. AS INFORMAÇÕES SÃO PÚBLICAS E PODEM OU NÃO SE REFERIR A PROCESSOS PATROCINADOS PELO VELLOZA ADVOGADOS.

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).

VER TAMBÉM

News Especial Nº 461

Aspectos Relevantes da Lei Brasileira de Proteção de Dados (LBPD) 21 de agosto de 2018 No último dia 14 de…

21 de agosto de 2018 em Legislação

Leia mais >

News Tributário Nº 460

DITR 2018 17 de agosto de 2018 A Receita Federal do Brasil publicou em 31 de julho de 2018, a…

17 de agosto de 2018 em News Tributário

Leia mais >