Velloza Ata de Julgamento

19/09/2018 em Velloza Ata de Julgamento

RESP 1744212/RS – M & I COMERCIO DE PRODUTOS AGROPECUARIOS LTDA X FAZENDA NACIONAL – Relator Min. Herman Benjamin
Tese: Transferência de créditos decorrentes do benefício do “não estorno”, originados em operações sujeitas ao regime de isenção
A 2ª Turma julgou, nesta terça-feira, conforme divulgado no Velloza Em Pauta de 04/09/2018, processo em que a Recorrente visava a aproveitar crédito decorrente do benefício do não-estorno com o débito gerado nas saídas de outras mercadorias vendidas com tributação pelo ICMS.
Por unanimidade de votos, foi negado seguimento ao recurso, sob o fundamento de que o tema foi dirimido pelo Tribunal local atraindo, portanto, o óbice da Súmula 280/STF.
Apesar de não ter havido julgamento de mérito, a turma ainda consignou que a alegação da Recorrente não se amolda ao entendimento firmado pela Turma. Para os Ministros, o direito ao “não estorno” dos créditos de ICMS não encontra amparo no art. 20, §6º, da LC 87/1996, mas sim, corresponde a mera liberalidade do Fisco Estadual, concedido na forma do art. 35, IV, do RICMS/RS, inexistindo óbice à sua restrição, revisão ou revogação.
É importante salientar que, diferentemente do que era esperado, a Turma rechaçou a aplicação do quanto decidido no REsp 897.513/RS, por entender que trata de situação diversa. Assim, os Ministros não aplicaram a tese do citado precedente no sentido de que o benefício fiscal estabelecido pela lei complementar não pode ser indevidamente restringido pela legislação estadual.


RESP 1757553/SP  – FAZENDA NACIONAL X M TEC MODELOS TÉCNICOS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA – Relator Min. Herman Benjamin
Tese: Possibilidade de redirecionamento da execução fiscal aos sócios/diretores em caso encerramento regular da empresa
Em julgamento perante a 2ª Turma do STJ, os ministros entenderam por conhecer parcialmente do Recurso Especial da Fazenda Nacional e, nessa parte, dar provimento a fim de devolver os autos ao Tribunal de origem para que este prossiga na análise de eventual preenchimento dos demais requisitos para redirecionamento, ou seja, se, após o registro do distrato, foram executadas as demais etapas necessárias para a extinção da sociedade empresarial.
Conforme divulgamos no Velloza Em Pauta – Ed. Setembro, o acórdão recorrido impediu o redirecionamento da Execução Fiscal, descaracterizando a dissolução irregular em razão de haver registro do distrato social na Junta Comercial.  Entretanto, no entendimento da Segunda Turma acerca da controvérsia, o distrato social é apenas uma das etapas necessárias para a extinção da sociedade empresarial, sendo necessário também, a arrecadação de bens, bem como a posterior realização do ativo e pagamento do passivo. Assim, somente após tais providencias é que seria possível decretar a extinção da personalidade jurídica e não apenas o registro do distrato social.
Cabe ressaltar que, sobre o tema, há recurso repetitivo afetado – tema 981, o qual aguarda julgamento. Porém, a discussão não contempla a questão de pagamento do passivo e consequente liquidação.

­

­

VELLOZA ATA DE JULGAMENTO É UM INFORMATIVO DE JURISPRUDÊNCIA QUE SELECIONA CASOS RELEVANTES EM PAUTA NOS TRIBUNAIS, CONFORME INFORMAÇÕES PUBLICADAS PELAS PRÓPRIAS CORTES. AS INFORMAÇÕES SÃO PÚBLICAS E PODEM OU NÃO SE REFERIR A PROCESSOS PATROCINADOS PELO VELLOZA ADVOGADOS.
ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).
Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 619

Lei do Estado de São Paulo revoga benefício do IPVA para locadoras de veículos No último dia 15 de outubro…

23 de outubro de 2020 em News Tributário

Leia mais >

News CARF

Acórdãos CARF em Destaque ­ Nesta edição, destacamos acórdãos do CARF publicados até 09/2020 acerca de temas relevantes, organizados por…

15 de outubro de 2020 em News CARF

Leia mais >