News Tributário Nº 575

6/04/2020 em News Tributário

Tributação das Distribuições dos Trusts – Breves Comentários à Solução de Consulta nº 41/2020 da RFB

A Coordenação-Geral de Tributação (“COSIT”) da Receita Federal do Brasil (“RFB”) emitiu em 31.03.2020, com publicação em 02.04.2020, a Solução de Consulta Cosit nº 41 (“SC COSIT 41/2020”), em que expressa seu entendimento acerca da incidência do Imposto de Renda (“IR”) sobre as distribuições realizadas por “Trustee a beneficiário residente fiscal no Brasil em decorrência de contrato de “Trust”.

Depreende-se da íntegra da SC Cosit nº 41/2020 que a contribuinte passou a receber distribuições em decorrência de um contrato de Trust instituído de acordo com as leis de Bahamas por seu falecido marido, e indagou a RFB se distribuições do Trustee para seu benefício seriam considerados: (i) como doação ou herança, sujeitando tal tributação pelo Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação (“ITCMD”), cuja alíquota máxima é 8% e, consequentemente, isentos de IR de acordo com a legislação tributária brasileira, ou (ii) como rendimentos ordinários advindos do exterior, sujeitos a sistemática denominada Carnê-Leão, sendo aplicada, portanto, a tabela progressiva de IR, cuja alíquota máxima é 27,5%.

A esse respeito, cabe destacar que os contratos de trusts são instrumentos contratuais comumente utilizados nos países de “common law” como mecanismo sucessório, em que é formalizado por meio do “Trust Deed”, no qual seu instituidor (“Settlor”) entrega a um terceiro (“Trustee”) a propriedade de um determinado patrimônio para que este o administre numa relação de confiança, em benefício de terceiros (“Beneficiários”). O Trust pode ser revogável ou irrevogável e a administração do bens pelo Trustee pode ser ou não discricionária, cabendo ao Trust Deed e a “Letter of Wishes” elencar as configurações, razões e disposições para que a distribuição seja realizada pelo Trustee aos Beneficiários.

Assim, muito embora não se tenha conhecimento de outras informações importantes do caso concreto, tais como a periodicidade dos pagamentos, se o Trust Deed era revogável ou irrevogável, discricionário ou não, e as razões estipuladas para as distribuições, temos que a RFB entendeu que as distribuições do Trustee aos Beneficiários caracterizam-se como rendimentos ordinários advindos do exterior, sujeitos, portanto, ao recolhimento pela sistemática de Carnê-Leão e entendeu ineficaz a consulta no que tange à tributação pelo ITCMD, dado não ser um tributo de sua competência.

Neste cenário, convém destacarmos que as Soluções de Consulta emitidas pela COSIT têm efeito vinculante no âmbito da RFB a partir da data de sua publicação, e pode significar que a RFB aplicaria o mesmo entendimento para contribuintes na mesma situação fática.

Embora careçamos de elementos fundamentais para análise da situação específica, à luz das informações disponibilizadas, se comprovada característica sucessória do mesmo divergimos de tal posicionamento. A depender de como o trust é formatado, pode ser que argumentos sólidos estejam disponíveis para eventual suporte à posição contrária à apresentada pela Coordenação-Técnica da Receita Federal, na SC nº 41/2020.

A equipe de WP do Velloza Advogados está à disposição para discutir o tema.

 

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).
Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 619

Lei do Estado de São Paulo revoga benefício do IPVA para locadoras de veículos No último dia 15 de outubro…

23 de outubro de 2020 em News Tributário

Leia mais >

News CARF

Acórdãos CARF em Destaque ­ Nesta edição, destacamos acórdãos do CARF publicados até 09/2020 acerca de temas relevantes, organizados por…

15 de outubro de 2020 em News CARF

Leia mais >