News Tributário nº 382

1/06/2017 em News Tributário

Medida Provisória nº 783/2017 institui o Programa Especial de Regularização Tributária – PERT

01 de junho de 2017

O Governo Federal publicou ontem a MP nº 783/2017 (Medida Provisória nº 783/2017 – DOU 1 de 31.05.2017 – Edição Extra) que institui o Programa Especial de Regularização Tributária – PERT, junto à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) e a Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB). Poderão aderir ao PERT às pessoas físicas e jurídicas, de direito público ou privado, inclusive aquelas que se encontrarem em recuperação judicial.

A adesão ao PERT deverá ser efetuada até o dia 31 de agosto de 2017 e abrangerá débitos de natureza tributária e não tributária, vencidos até 30.04.2017, inclusive, objeto de parcelamentos anteriores rescindidos ou ativos, em discussão administrativa ou judicial ou provenientes de autuações fiscais lavradas após a publicação da MP nº 783/17.

Para inclusão de débitos em discussão administrativa ou judicial no PERT, o contribuinte deverá (i) desistir previamente das impugnações ou dos recursos administrativos e das ações judiciais que tenham por objeto os débitos que serão quitados; e (ii) renunciar a quaisquer alegações de direito sobre as quais se fundem as referidas impugnações e recursos ou ações judiciais, e protocolar, no caso de ações judiciais, requerimento de extinção do processo com resolução do mérito, nos termos do artigo 487, inciso III, alínea “c” do Código de Processo Civil.

Segundo a norma, a adesão ao PERT implicará:

(i) A confissão irrevogável e irretratável dos débitos em nome do sujeito passivo na condição de contribuinte ou responsável e por ele indicados para compor o PERT;

(ii) A aceitação plena e irretratável, pelo sujeito passivo na condição de contribuinte ou responsável, das condições estabelecidas na MP nº 783/2017, para o PERT;

(iii) O dever de pagar regularmente as parcelas dos débitos consolidados no PERT e os débitos vencidos após 30.04.2017, inscritos ou não em Dívida Ativa da União;

(iv) A vedação da inclusão dos débitos que compõem o PERT em qualquer outra forma de parcelamento posterior, ressalvado o reparcelamento de que trata o art. 14-A da Lei nº 10.522/2002; e,

(v) O cumprimento regular das obrigações com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Modalidades de pagamento dos débitos no PERT e reduções previstas:

No âmbito da SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL, o sujeito passivo poderá liquidar os débitos optando por uma das modalidades:

I. Pagamento à vista e em espécie (utilização de créditos fiscais)

(a) pagamento à vista e em espécie de no mínimo, 20% do valor da dívida consolidada, sem reduções, em 5 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis de agosto a dezembro/2017; e

(b) liquidação do restante com a utilização de créditos de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa da CSL ou com outros créditos próprios relativos aos tributos administrados pela RFB, com a possibilidade de pagamento, em espécie, de eventual saldo remanescente em até 60 prestações adicionais, vencíveis a partir do mês seguinte ao do pagamento à vista.

II. Pagamento da dívida em 120 parcelas

Pagamento da dívida consolidada em até 120 prestações mensais e sucessivas, calculadas de modo a observar os seguintes percentuais mínimos, aplicados sobre o valor da dívida consolidada:

(a) da 1ª à 12ª prestação: 0,4%;

(b) da 13ª à 24ª prestação: 0,5%;

(c) da 25ª à 36ª prestação: 0,6%; e

(d) da 37ª prestação em diante – percentual correspondente ao saldo remanescente, em até oitenta e quatro prestações mensais e sucessivas.

III. Pagamento à vista com desconto

Pagamento à vista e em espécie de no mínimo 20% do valor da dívida consolidada, sem reduções, em 5 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis de agosto a dezembro/2017 e o restante:

Liquidada integralmente (parcela única) em janeiro/2018 com redução de 90% dos juros de mora e 50% das multas de mora, de ofício ou isoladas;

IV. Parcelado em até 150 meses com descontos

(a) pagamento de 20% do valor da dívida consolidada, sem reduções, em 5 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis de agosto a dezembro/2017, e;

(b) até 145 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis a partir de janeiro/2018, com redução de 80% dos juros de mora e de 40% das multas de mora, de ofício ou isoladas.

V. Parcelado em até 180 meses com descontos

(a) pagamento de 20% do valor da dívida consolidada, sem reduções, em 5 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis de agosto a dezembro/2017, e;

(b) até 175 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis a partir de janeiro/2018, com redução de 50% dos juros de mora e de 25% das multas de mora, de ofício ou isoladas.

Obs.: cada parcela será calculada com base no valor correspondente a 1% da receita bruta da pessoa jurídica referente ao mês imediatamente anterior ao do pagamento, não podendo ser inferior a 1/175 do total da dívida consolidada.

No âmbito da PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL, o sujeito passivo poderá liquidar os débitos optando por uma das modalidades:

I. Pagamento da dívida em 120 parcelas

Pagamento da dívida consolidada em até 120 prestações mensais e sucessivas, calculadas de modo a observar os seguintes percentuais mínimos, aplicados sobre o valor da dívida consolidada:

(a) da 1ª à 12ª prestação: 0,4%;

(b) da 13ª à 24ª prestação: 0,5%;

(c) da 25ª à 36ª prestação: 0,6%; e

(d) da 37ª prestação em diante – percentual correspondente ao saldo remanescente, em até oitenta e quatro prestações mensais e sucessivas.

II. Pagamento à vista com desconto

Pagamento à vista e em espécie de no mínimo 20% do valor da dívida consolidada, sem reduções, em 5 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis de agosto a dezembro/2017 e o restante:

Liquidada integralmente (parcela única) em janeiro/2018, com redução de 90% dos juros de mora e 50% das multas de mora, de ofício ou isoladas, 25% dos encargos legais, e 25% dos honorários advocatícios.

III. Parcelado em até 150 meses com descontos

(a) pagamento de 20% do valor da dívida consolidada, sem reduções, em 5 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis de agosto a dezembro/2017, e;

(b) até 145 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis a partir de janeiro/2018, com redução de 80% dos juros de mora e de 40% das multas de mora, de ofício ou isoladas.

IV. Parcelado em até 180 meses com descontos

(a) pagamento de 20% do valor da dívida consolidada, sem reduções, em 5 parcelas mensais e sucessivas vencíveis de agosto a dezembro/2017, e;

(b) parcelado em até 175 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis a partir de janeiro/2018, com redução de 50% dos juros de mora e de 25% das multas de mora, de ofício ou isoladas, 25% dos encargos legais e 25% dos honorários advocatícios.

Obs.: cada parcela será calculada com base no valor correspondente a 1% da receita bruta da pessoa jurídica referente ao mês imediatamente anterior ao do pagamento, não podendo ser inferior a 1/175 do total da dívida consolidada.

Outras questões do PERT

O programa estabelece ainda que:

(i) o valor mínimo de cada prestação mensal dos parcelamentos da RFB e PGFN será de: R$ 200,00 para devedor Pessoa Física, e R$ 1.000,00 para devedor Pessoa Jurídica;

(ii) somente será considerada a desistência parcial de impugnação e de recurso administrativo interposto ou de ação judicial proposta se o débito objeto de desistência for passível de distinção dos demais débitos discutidos no processo administrativo ou na ação judicial;

(iii) a comprovação do pedido de desistência e da renúncia de ações judiciais deverá ser apresentada na unidade de atendimento integrado do domicílio fiscal do sujeito passivo até o último dia do prazo estabelecido para a adesão ao PERT, e não eximem o autor da ação do pagamento dos honorários, nos termos do art. 90 da Lei nº 13.105, de 2015 – Código de Processo Civil;

(iv) os depósitos vinculados aos débitos a serem pagos ou parcelados serão automaticamente transformados em pagamento definitivo ou convertidos em renda da União;

(v) a opção pelo PERT implica manutenção automática dos gravames decorrentes de arrolamento de bens, de medida cautelar fiscal e das garantias prestadas administrativamente, nas ações de execução fiscal ou qualquer outra ação judicial.

A RFB e a PGFN deverão editar os atos necessários à execução do PERT no prazo de trinta dias, contados da data da publicação da MP nº 783/17.

 

 

Equipe Responsável:

José Carlos Mota Vergueiro
(11) 3145-0954
jcvergueiro@velloza.com.br

Denis Vieira Gomes
(11) 3145-0927
denis.gomes@velloza.com.br

Tamara Castrezana de Siqueira
(11) 3145-0912
tamara.siqueira@velloza.com.br

 

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).

Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 619

Lei do Estado de São Paulo revoga benefício do IPVA para locadoras de veículos No último dia 15 de outubro…

23 de outubro de 2020 em News Tributário

Leia mais >

News CARF

Acórdãos CARF em Destaque ­ Nesta edição, destacamos acórdãos do CARF publicados até 09/2020 acerca de temas relevantes, organizados por…

15 de outubro de 2020 em News CARF

Leia mais >