News Tributário Nº 569

31/03/2020 em News Tributário

Comissões sobre prêmios cancelados e restituídos podem ser excluídas da base do PIS/COFINS.

Quando ocorre o cancelamento da apólice de seguros antes do término do prazo de vigência, com a correspondente devolução proporcional do prêmio ao segurado, deve o corretor/corretora que intermediou a operação restituir a comissão recebida à seguradora, conforme determina o art. 21 da Circular SUSEP nº 127/2000.

É sabido também que a legislação autoriza às seguradoras deduzirem da base de cálculo do PIS e da COFINS os valores correspondentes aos prêmios restituídos, outrora submetidos à tributação quando da emissão da apólice.

Embora a seguradora registre a restituição da comissão paga aos corretores em sua contabilidade, com a correspondente redução da obrigação de devolução dos prêmios cancelados, o valor em questão não pode ser considerado como receita tributável para fins de PIS e de COFINS, como se passa a demonstrar nas próximas linhas.

Isso porque, o valor correspondente à comissão restituída constitui mera recomposição do patrimônio da seguradora em razão do cancelamento da operação anteriormente realizada e tributada, não significando ingresso de nova receita sujeita ao PIS/COFINS.

A Receita Federal, contudo, vem entendendo que as comissões restituídas constituem “recuperação de despesas”, ocasionando a geração de receitas que devem ser adicionadas à base de cálculo do PIS e da COFINS.

O entendimento equivocado da receita Federal, contudo, vem sendo retificado pelo CARF, conforme recente acórdão prolatado em janeiro de 2020, ao decidir que: Os valores decorrentes de comissões sobre prêmios cancelados e restituídos podem ser excluídos da base de cálculo das contribuições por consubstanciarem recuperações de valores registrados como despesas e não representarem ingresso de novas receitas”.

Dessa forma, sem prejuízo da possibilidade de se questionar a não inclusão da própria parcela do prêmio destinada ao pagamento de corretagem à base de cálculo do PIS e da COFINS, subsidiariamente poderá ser discutida a não tributação da parcela correspondente à comissão restituída à seguradora.

Para ambos os cenários, portanto, é recomendável o ajuizamento de ação judicial para resguardar o direito da empresa seguradora, restituindo-se dos valores indevidamente pagos a tal título nos últimos cinco anos.

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).
Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 619

Lei do Estado de São Paulo revoga benefício do IPVA para locadoras de veículos No último dia 15 de outubro…

23 de outubro de 2020 em News Tributário

Leia mais >

News CARF

Acórdãos CARF em Destaque ­ Nesta edição, destacamos acórdãos do CARF publicados até 09/2020 acerca de temas relevantes, organizados por…

15 de outubro de 2020 em News CARF

Leia mais >