Velloza Ata de Julgamento

2/08/2018 em Velloza Ata de Julgamento

ADI 3144 – CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO – CNC x PRESIDENTE DA REPÚBLICA – Relator Min. Edson Fachin
Tese: Inconstitucionalidade da Lei nº 10.833/03, que alterou o regime de cálculo e recolhimento da COFINS para não-cumulativo e elevou a alíquota de 3% para 7,6%.
A Suprema Corte levou a julgamento a Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 3144, proposta pela Confederação Nacional do Comércio para questionar a constitucionalidade da Lei nº 10.833/03, que criou o regime não-cumulativo da COFINS e aumentou a alíquota da contribuição social para aqueles obrigados à adoção da sistemática de 3% para 7,6%. Na ocasião, a Corte concluiu, por unanimidade,  não haver parâmetro constitucional flagrantemente violado. O ministro  relator, Edson Fachin, considerou em seu voto que a sujeição ao regime do lucro presumido é uma escolha realizada pelo contribuinte à luz do seu respectivo planejamento tributário, razão pela qual as diferenças de tratamento tributário entre sociedades empresárias que recolhem imposto de renda sob os regimes de lucro real e de lucro presumido não representa ofensa à igualdade, nos termos do inciso IX do art. 170 da CF. Assim, entendeu ser inviável o judiciário infirmar a relativa liberdade de conformação da ordem tributária pelo poder legislativo.
Acrescente-se que o Ministro Marco Aurélio fez uma ressalva quanto ao efeito confiscatório abordado no voto do relator, pois deve ser considerada no conjunto, ou seja, a carga tributária suportada por todos os brasileiros, o que não impacta no resultado do julgamento, que se mantém pelos demais fundamentos.

VELLOZA ATA DE JULGAMENTO É UM INFORMATIVO DE JURISPRUDÊNCIA QUE SELECIONA CASOS RELEVANTES EM PAUTA NOS TRIBUNAIS, CONFORME INFORMAÇÕES PUBLICADAS PELAS PRÓPRIAS CORTES. AS INFORMAÇÕES SÃO PÚBLICAS E PODEM OU NÃO SE REFERIR A PROCESSOS PATROCINADOS PELO VELLOZA ADVOGADOS.
ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).
Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

Lei Complementar nº 194/22 afasta a Tusd e a Tust da base de cálculo do ICMS sobre energia elétrica

A Lei Complementar nº 194/22 determinou a não incidência das Tarifas de Uso do Sistema de Distribuição (Tusd) e de…

4 de julho de 2022 em Artigos

Leia mais >

Publicada a Lei Complementar nº 194/22 que torna essencial combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo

Publicada em 23/06/2022, a Lei Complementar nº 194/22 alterou a Lei Complementar nº 87/96 (Lei Kandir) para tornar essenciais bens…

4 de julho de 2022 em Artigos

Leia mais >