STJ

15/06/2022 em STJ

REsp nº 1540093/RS – CEREALISTA COMIMPEX LTDA E OUTRAS x FAZENDA NACIONAL – Relator: Min. Benedito Gonçalves
Tema: Responsabilidade tributária das pessoas jurídicas integrantes do grupo econômico, tanto pela desconsideração da personalidade jurídica em virtude  do  desvio de  finalidade  e/ou  confusão  patrimonial quanto  pela  existência  de  solidariedade  decorrente  da  existência  de  interesse  comum  na situação que constitui o fato gerador da obrigação tributária
Julgamento conjunto: REsp 1552497/RS e AREsp 810547/RS
Em razão de óbices processuais, a 1ª Turma do STJ deixou de analisar os recursos especiais interpostos contra acordão do TRF4 que negou provimento a apelação interposta contra sentença exarada no curso de ação cautelar fiscal, na  qual se reconheceu a existência de grupo econômico de fato, dissimulado por meio da implementação de uma conduta societária ilícita, empreendida por meio de manobras tendentes à fraude fiscal, mediante o abuso de personalidade jurídica das empresas envolvidas, confusão e desvio patrimonial.
Os ministros compreenderam ser hipótese de aplicação da Súmula 7/STJ, tendo em vista o delineamento fático realizado pelo tribunal de origem, não sendo possível revisar a conclusão por ele adotada.
No que se refere a alegação de decadência para que a Fazenda promovesse o redirecionamento com a regular citação das recorrentes para integrar o polo passivo das execuções fiscais, o relator compreendeu não haver juízo de valor por parte da Corte de origem, o que acarreta o não conhecimento do recurso especial pela falta do cumprimento do requisito do pré-questionamento.
O Ministro ressaltou que houve vasta análise de fatos e provas por parte do voto condutor do acórdão recorrido, assegurando que “restou evidenciada a prática de atos que impedem a satisfação do crédito com a transferência dos bens das devedoras originais para as demais empresas demandadas. De igual forma, houve demonstração de formação de grupo econômico entre as empresas” sendo inafastável a incidência da Súmula 7/STJ.
Aplicou-se, ainda, o óbice da Súmula 283/STF de forma a impedir a admissão do recurso especial, ante a ausência de elucidação do fundamento que respalda o resultado do julgamento proferido pelo Tribunal a quo.

­

Clique e confira a íntegra do informativo: Velloza  Ata de Julgamento

Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

Velloza Ata de Julgamento

REsp nº 1987675/SP – GIRAFA COMÉRCIO ELETRÔNICO LTDA X FAZENDA NACIONAL – Relator: Min. Herman Benjamin Tema: Possibilidade de revogação…

24 de junho de 2022 em Velloza Ata de Julgamento

Leia mais >

Novo golpe induz contribuinte a regularizar CPF; veja o que fazer para não cair em cilada

A Receita Federal fez um alerta recente sobre a existência de um novo golpe envolvendo uma suposta regularização de CPF….

22 de junho de 2022 em Imprensa

Leia mais >