V&G News Tributário Nº 323

15/12/2015 em News Tributário

PIS e COFINS – Variações Monetárias Relacionadas à Exportação de Bens ou Serviços

15 de dezembro de 2015

A pretexto de interpretar o inciso I do § 3º do art. 1º do Decreto nº 8.426, de 1º de abril de 2015, o qual manteve a aplicação da alíquota zero da contribuição ao PIS e da COFINS quanto às receitas decorrentes de variações monetárias vinculadas à exportação de bens e serviços para o exterior, a Receita Federal do Brasil publicou o Ato Declaratório Interpretativo nº 8, de 16 de novembro de 2015.

Segundo a interpretação da Receita Federal do Brasil, o benefício da alíquota zero prevista no citado Decreto é limitado à variação cambial verificada no momento do recebimento dos recursos pelo exportador, ou seja, após esse momento, a receita passa a se sujeitar à incidência do PIS e da COFINS na forma disciplinada pelo artigo 1º do Decreto nº 8.426/2015, à alíquota de 4,65%.

Entendemos, todavia, que a Receita Federal realizou uma interpretação equivocada sobre o momento do reconhecimento da receita de variação cambial vinculada à exportação, acabando por restringir indevidamente o benefício fiscal da alíquota zero e, em última instância, a própria imunidade prevista no artigo 149, § 2º, inciso I, da Constituição Federal.

Um exemplo concreto de como a referida interpretação poderá prejudicar o exportador é o pagamento antecipado de exportação. Nessa situação, como o fechamento do câmbio precede a entrega das mercadorias, o exportador reconhece um passivo que, conquanto registrado em moeda nacional, sofre variação até o encerramento do dever obrigacional a que se subordina (embarque das mercadorias). A princípio, segundo a interpretação da RFB, as variações monetárias passivas ocorridas entre o recebimento antecipado pelo exportador e o embarque das mercadorias deverão ser tributadas pelo PIS e COFINS, pois ocorridas “após a data de recebimento pelo exportador dos recursos decorrentes da exportação”.

Merecem destaques, de modo a corroborar a conclusão acima, os seguintes elementos:

– ao interpretar o artigo 149, § 2º, I, da Constituição Federal, o STF já reconheceu que a variação cambial está abrangida pela imunidade, por ser indissociável da exportação de bens e serviços;

– segundo a interpretação do próprio Ministério da Fazenda (Portaria MF nº 356, de 05 de dezembro de 1988), a variação monetária em razão do câmbio nas exportações deve ser reconhecida até a data do embarque das mercadorias;

– sendo a exportação uma operação de compra e venda de bens móveis, conforme o Direito Privado, ela se aperfeiçoa apenas com a tradição das mercadorias, sendo este o momento em que devem ser apuradas as receitas;

– o ADI nº 8, portanto, ao se fixar em elemento estranho à operação para fins de aplicação da alíquota zero, incorreu em ilegalidade e inconstitucionalidade, pois o momento do pagamento é irrelevante para fins de definição da hipótese de incidência do PIS e da COFINS sobre a variação cambial que, conforme decidido pelo STF, integra a operação de exportação de bens e serviços.

Assim, recomendamos aos contribuintes que se sentirem lesados pela incorreta interpretação da Receita Federal do Brasil no ADI nº 8/2015, a impetração preventiva de mandado de segurança, assegurando-se, assim, contra cobranças indevidas e aplicação de penalidades em decorrência de não submeterem à tributação do PIS e da COFINS os valores da variação cambial ocorrida, ou ao menos, entre a data do recebimento dos valores e a data do embarque das mercadorias ou encerramento da prestação dos serviços exportados.

 

Equipe Responsável:

Luiz Girotto
(11) 3145-0072
luiz.girotto@vellozaegirotto.com.br

Newton Neiva de Figueiredo Domingueti
(11) 3145-0072
newton.domingueti@vellozaegirotto.com.br

Fabrício Parzanese dos Reis
(11) 3145-0072
fabricio.parzanese@vellozaegirotto.com.br

Leonardo Augusto Andrade
(11) 3145-0464
leonardo.augusto@vellozaegirotto.com.br

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 447

Município do Rio de Janeiro prevê reabertura do Programa Concilia Rio para pagamento de débitos tributários ou não relativos a…

19 de junho de 2018 em News Tributário

Leia mais >

News Tributário Nº 446

PRT (Medida Provisória nº 766/2017) – Demais Débitos Perante RFB – Consolidação 15 de junho de 2018 Foi publicada no…

15 de junho de 2018 em News Tributário

Leia mais >