V&G News Tributário Nº 295

2/07/2015 em News Tributário

Sentença da Justiça Federal de São Paulo confirma a não incidência do PIS e da COFINS sobre Receitas Financeiras de Seguradoras

02 de julho de 2015

Sentença proferida pela juíza da 14ª Vara da Justiça Federal de São Paulo acolheu o pedido de empresas seguradoras para afastar a incidência das contribuições ao PIS e da COFINS sobre as receitas financeiras decorrentes das reservas técnicas.

Na sentença, a Juíza Federal Tatiana Pattaro Pereira, “as receitas financeiras decorrentes das reservas técnicas não se enquadram no conceito de ‘receita bruta’ fixado pela Lei nº 12.973/2014. A Lei enquadra no referido conceito, além das receitas identificadas nos incisos I a II, as receitas da atividade ou objeto principal da pessoa jurídica e não toda e qualquer receita. A Impetrante tem como objeto social a exploração das operações de seguros de pessoa, em quaisquer modalidades, bem como planos de pecúlios e rendas da previdência privada aberta (conforme fl.54), sendo tal sua atividade principal.

A reserva técnica a ser mantida pela Impetrante decorre da exigência legal e destina-se a preservar a liquidez e a solvência das sociedades seguradoras. Trata-se de obrigação a que estas sociedades estão sujeitas para que possam desenvolver sua verdadeira atividade principal. Os eventuais acréscimos patrimoniais resultantes das aplicações financeiras da reserva técnica são fruto de atividade secundária, acessória das seguradoras. Desse modo, não se inserem no conceito de receita resultante do exercício da atividade principal.”

Ressalta, ainda, a Juíza que “Poderia o legislador ter optado por um conceito de ‘receita bruta’ mais amplo, mas preferiu restringi-lo às receitas da atividade principal, além daquelas elencadas nos incisos I e II do citado artigo 12. Desta forma, as receitas financeiras auferidas pela Impetrante não deverão compor a base de cálculo da COFINS e do PIS, independentemente de sua origem, pois não se enquadram no conceito de ‘receita bruta’ estabelecido em Lei, já que não resultam diretamente da atividade ou objeto principal da Impetrante

Referida sentença corrobora o entendimento externado pelo escritório acerca do assunto, no sentido de que as empresas seguradoras e resseguradoras devem questionar referida tributação, seja no âmbito judicial ou administrativo.

O escritório se coloca à disposição para esclarecimento de dúvidas acerca do assunto.

 

Equipe Responsável:

Luiz Girotto
(11) 3145-0072
luiz.girotto@vellozaegirotto.com.br

Newton Neiva de F. Domingueti
(11) 3145-0072
newton.domingueti@vellozaegirotto.com.br

Fabrício Parzanese dos Reis
(11) 3145-0072
fabricio.parzanese@vellozaegirotto.com.br

Leonardo Augusto Andrade
(11) 3145-0464
leonardo.andrade@vellozaegirotto.com.br

 

 

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).

VER TAMBÉM

News Societário Nº 397

Start-Up Brasil oferece R$ 9,7 milhões para apoiar 50 projetos 17 de agosto de 2017 O programa federal de incentivo…

17 de agosto de 2017 em News Societário

Leia mais >

News Tributário Nº 396

MP nº 794/2017 – Exigência imediata do adicional de 1% da alíquota da Cofins-Importação é inconstitucional 15 de agosto de…

15 de agosto de 2017 em News Tributário

Leia mais >