V&G News Nº 203

9/05/2013 em Sem categoria

Mantida vedação da dedução da CSLL da Base de Cálculo do IR

O Supremo Tribunal Federal, em sessão realizada no dia de hoje (09/05/2013), concluiu o julgamento do RE nº 582.525, processado pelo rito da repercussão geral, o qual discute a constitucionalidade do artigo 1º, caput e parágrafo único da lei nº. 9.316/96 que veda a dedução do valor da CSL para efeito de determinação da base de cálculo do IRPJ.

Relembrando o caso, o referido  Recurso Extraordinário, o qual teve seu julgamento iniciado em 2008, foi improvido pelo Ministro Relator, Ministro Joaquim Barbosa, sob o fundamento de que a CSLL não é despesa operacional, essencial à manutenção da atividade da empresa, e sim parcela do lucro real.

Ainda segundo o Relator, a reserva legal de lei complementar para dispor sobre normas gerais em matéria de IR não foi violada, porque os artigos 43 e 44 do CTN não especificam o que se deve entender por lucro real na extensão pretendida pelo contribuinte, além de não conceituarem renda.

Naquela mesma oportunidade, o Ministro Marco Aurélio votou em sentido contrário, conhecendo e dando provimento ao Recurso Extraordinário, por entender, em síntese, que a CSLL é ônus e não acréscimo patrimonial,  não podendo ser incluída na base de cálculo do IR.

No entanto, o julgamento do caso foi interrompido pelo pedido de vista do Ministro Cezar Peluso, aposentado.

Na sessão realizada hoje, em continuidade ao julgamento, o Ministro Teori Zavaski (sucessor de Cezar Peluso), proferiu seu voto vista no sentido de acompanhar integralmente o voto do ministro relator Joaquim Barbosa.

Após o voto vista do Ministro Teori, seguiram na mesma linha os Ministros Rosa Weber, Luiz Fux, Dias Toffoli, Carmén Lucia, Ricardo Lewandowisk.

Assim, o pleno do STF, por maioria de votos (7×1), vencido o ministro Marco Aurélio, negou provimento ao Recurso Extraordinário do Contribuinte, mantendo, dessa forma, a vedação da dedução da CSLL da base de cálculo do Imposto de Renda nos termos da Lei nº 9.316/96.

Como o julgamento se deu sob o rito da repercussão geral, após a publicação do acórdão, os Tribunais Regionais Federais estarão autorizados a aplicar a decisão nos demais recursos extraordinários versando sobre o mesmo tema.

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. DÚVIDAS E ESCLARECIMENTOS SOBRE AS MATÉRIAS AQUI VEICULADAS DEVERÃO SER DIRIGIDAS AO V&G.

Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Bancário Nº 620

SANDBOX BACEN: 5 Pontos que Você Precisa Saber   1)  O que é o Sandbox? ⇒  ambiente único para a…

27 de outubro de 2020 em News Bancário

Leia mais >

News Tributário Nº 619

Lei do Estado de São Paulo revoga benefício do IPVA para locadoras de veículos No último dia 15 de outubro…

23 de outubro de 2020 em News Tributário

Leia mais >