V&G News Nº 174

26/10/2012 em Sem categoria

Parcelamento de débitos fiscais de ICMS
Recentemente, a Secretaria da Fazenda e a Procuradoria Geral do Estado de São Paulo editaram a Resolução Conjunta n° 02, publicada em 16 de outubro de 2012, que versa sobre a possibilidade de parcelamento dos débitos fiscais relativos ao Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (“ICMS”).
O parcelamento dos débitos fiscais, não inscritos ou inscritos e ajuizados, poderá ser deferido da seguinte forma:

(i)    2 (dois) parcelamentos com número de parcelas não superior a 12 (doze). Neste caso, quando se tratar de débito declarado pelo contribuinte, não inscrito na dívida ativa, o parcelamento corresponderá a no máximo 3 (três) períodos de apuração para cada parcelamento;

(ii)    1 (um) parcelamento com número de parcelas não superior a 24 (vinte e quatro). Em caso de débito declarado pelo contribuinte, não inscrito na dívida ativa, o parcelamento corresponderá a no máximo 2 (dois) períodos de apuração;

(iii)    1 (um) parcelamento com número de parcelas não superior a 36 (trinta e seis). Em se tratando de débito declarado pelo contribuinte, não inscrito na dívida ativa, o parcelamento corresponderá a 1 (um) único período de apuração; ou

(iv)    parcelamento especial, com número de parcelas não superior a 60 (sessenta).

No mais, quando se tratar de débito apurado pelo fisco, não inscrito na dívida ativa, o parcelamento, independentemente da opção deferida (itens “i”, “ii” ou “iii” acima), corresponderá a 1 (um) único Auto de Infração e Imposição de Multa (“AIIM”). Já quando se tratar débito declarado, inscrito e ajuizado, o parcelamento corresponderá a todos os débitos incluídos na mesma solicitação de parcelamento, e por fim, quando se tratar de débito apurado pelo fisco, inscrito e ajuizado, a uma única Certidão de Dívida Ativa. É importante observar que estas limitações não se aplicam ao parcelamento especial (item “iv” acima).

Para cada parcela foi fixado o valor mínimo de R$500,00 (quinhentos reais). Ainda, os parcelamentos estarão sujeitos a acréscimo financeiro, cujo percentual será fixado por ato do Secretário da Fazenda.

O pedido de parcelamento de débitos não inscritos deverá se feito por meio do Posto Fiscal Eletrônico da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (“PFE”), no endereço eletrônico http://pfe.fazenda.sp.gov.br, nas hipóteses em que a soma dos valores originais dos débitos fiscais declarados seja igual ou inferior a R$10.000.000,00 (dez milhões de reais). Nas demais hipóteses será concedido mediante preenchimento do formulário modelo 1 ou.

O parcelamento dos débitos inscritos e ajuizados implica em confissão irrevogável e irretratável do débito fiscal, desistência de quaisquer ações, defesas ou recursos em âmbito administrativo ou judicial, relativamente aos débitos fiscais incluídos no parcelamento e a expressa renúncia dos direitos sobre os quais se fundam.

Vale destacar que, não será concedido parcelamento de débito fiscal decorrente de desembaraço aduaneiro de mercadoria importada do exterior, quando destinada à comercialização ou industrialização, ou de imposto devido por sujeição passiva por substituição tributária.

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. DÚVIDAS E ESCLARECIMENTOS SOBRE AS MATÉRIAS AQUI VEICULADAS DEVERÃO SER DIRIGIDAS AO V&G.

 

Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 619

Lei do Estado de São Paulo revoga benefício do IPVA para locadoras de veículos No último dia 15 de outubro…

23 de outubro de 2020 em News Tributário

Leia mais >

News CARF

Acórdãos CARF em Destaque ­ Nesta edição, destacamos acórdãos do CARF publicados até 09/2020 acerca de temas relevantes, organizados por…

15 de outubro de 2020 em News CARF

Leia mais >