V&G News Nº 242

11/07/2014 em Sem categoria

Medida Provisória nº 651/2014 
(Reabertura do REFIS da Crise)
 

11 de julho de 2014
 

A Presidência da República publicou no Diário Oficial da União de 10 de julho de 2014, a Medida Provisória nº 651, provocando alterações na legislação tributária federal.

Dentre as disposições destaca-se a alteração na Lei nº 12.996/2014 que reabriu o prazo para pagamento e parcelamento de débitos tributários, incluindo os débitos perante as autarquias federais (Vide V&G News – Extra – nº 240 de 25 de junho de 2014).

Foram mantidas a maioria das disposições veiculadas pela Lei nº 12.996/2014 com as seguintes alterações:

•  Reabertura, até o dia 25 de agosto de 2014, dos prazos para pagamento à vista ou parcelamento com a utilização de prejuízo fiscal e de base de cálculo negativa da CSLL;

  • Na hipótese de adesão ao parcelamento mantêm-se a necessidade de pagamento antecipado de parte da dívida, em até cinco parcelas, nos seguintes termos:

    – Dívida objeto de parcelamento de valor igual ou menor a R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais): necessidade de antecipação de 5% (cinco por cento) do valor da dívida – depois de aplicadas as reduções;

    – Dívida objeto de parcelamento de valor maior que R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) e menor ou igual a R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais): necessidade de antecipação de 10% (dez por cento) do valor da dívida – depois de aplicadas as reduções;

    – Dívida objeto de parcelamento de valor maior que R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais) e menor ou igual a R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais): necessidade de antecipação de 15% (quinze por cento) do valor da dívida – depois de aplicadas as reduções;

    – Dívida objeto de parcelamento de valor maior que R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais): necessidade de antecipação de 20% (vinte por cento) da dívida – depois de aplicadas as reduções;

    •  Possibilidade de reparcelamento de débitos incluídos em quaisquer parcelamentos anteriores;

Não exigência de Honorários Advocatícios e Sucumbência

  • A Medida Provisória nº 651/2014 afasta a condenação em honorários advocatícios, bem como qualquer sucumbência, em todas as ações judiciais que, direta ou indiretamente, vierem a ser extintas em decorrência de adesão às reaberturas dos parcelamentos previstos na Lei nº 11.941/2009 e no artigo 65 da Lei nº 12.249/2010 aplicando-se:

    i) aos pedidos de desistência e renúncia protocolados a partir da publicação da publicação da Medida Provisória, ou seja, 10/07/2014;
    ii) aos pedidos de desistência e renúncia já protocolados, mas cujos valores de honorários e sucumbência não tenham sido pagos até a data da publicação da Medida Provisória, ou seja, 10/07/2014;

    Ainda espera-se a regulamentação infra legal da referida norma, onde se acredita serão esclarecidos alguns pontos não tratados na Lei nº 12.996/2014 e na Medida Provisória nº 651/2014, principalmente acerca da delimitação temporal da utilização de prejuízos fiscais

Quitação Antecipada de Débitos Parcelados

A Medida Provisória nº 651/2014 cria uma nova sistemática de quitação antecipada de débitos de natureza tributária objeto de parcelamento perante a RFB ou PGFN, vencidos até 31 de dezembro de 2013, com a utilização de prejuízos fiscais e base de cálculo negativa da CSLL sob as seguintes condições:

i) o requerimento deverá ser feito até o dia 30 de novembro de 2014;
ii) necessidade de pagamento em espécie de, no mínimo, 30% (trinta por cento) do saldo do parcelamento;
iii) quitação integral do saldo remanescente mediante a utilização de créditos de prejuízo fiscal e de base de cálculo negativa da CSLL.

O prejuízo fiscal e a base de cálculo negativa da CSLL de que trata a quitação antecipada de débitos parcelados poderão ser utilizados entre empresas controladora e controlada, de forma direta, ou entre empresas sob controle direto de uma mesma empresa em 31/12/2011, domiciliadas no Brasil e que mantenham esta condição até a data da opção pela quitação antecipada.

Além disso a MP 651/2014 deixa claro, ainda, que:

i) o requerimento de quitação antecipada de débitos parcelados suspende a exigibilidade das parcelas até ulterior análise dos créditos pleiteados;
ii) a RFB e/ou a PGFN dispõem do prazo de 5 anos para fazer a análise dos créditos indicados para quitação;
iii) na hipótese de indeferimento dos créditos, ainda que parcialmente, o contribuinte terá o prazo de trinta dias para quitação, em espécie, do saldo remanescente do parcelamento;
iv) a ausência de quitação do saldo remanescente implicará a rescisão do parcelamento e prosseguimento da cobrança dos débitos remanescentes.
Ainda espera-se a regulamentação infra legal da referida norma.

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. DÚVIDAS E ESCLARECIMENTOS SOBRE AS MATÉRIAS AQUI VEICULADAS DEVERÃO SER DIRIGIDAS AO V&G.

Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Especial Nº 461

Aspectos Relevantes da Lei Brasileira de Proteção de Dados (LBPD) 21 de agosto de 2018 No último dia 14 de…

21 de agosto de 2018 em Legislação

Leia mais >

News Tributário Nº 460

DITR 2018 17 de agosto de 2018 A Receita Federal do Brasil publicou em 31 de julho de 2018, a…

17 de agosto de 2018 em News Tributário

Leia mais >