V&G News Nº 237

13/06/2014 em Sem categoria

FGTS – Lei Complementar nº 110/2001 

13 de junho de 2014
 

Como amplamente divulgado pelos meios de comunicação, foi vetado pelo Poder Executivo o Projeto de Lei Complementar nº 200/2012, o qual trazia em seu bojo proposta para estabelecer prazo para a extinção da contribuição veiculada pelo artigo 1º da Lei Complementar nº 110/2001.

Tendo em vista que a almejada extinção da referida contribuição através do Poder Legislativo não logrou êxito, entendemos cabível o seu questionamento judicial, inclusive com pedido de restituição dos valores indevidamente recolhidos nos últimos 5 anos, tendo em vista a cessação da motivação que inspirou a sua criação (cobertura do passivo relativo à recomposição das contas vinculadas do FGTS atingidas pelos expurgos inflacionários dos planos Verão e Collor) e motivou o reconhecimento de sua constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento das ADIs nos 2.568/DF e 2.556/DF.

Vale ressaltar que o voto-condutor das referidas ações expressamente ressalvou que “a existência das contribuições, com todas as suas vantagens e condicionantes, somente se justifica se preservadas sua destinação e sua finalidade” e que “O argumento relativo à perda superveniente de objeto dos tributos em razão do cumprimento de sua finalidade deverá ser examinado a tempo e modo próprios”.

Desta forma, tendo se esgotado a finalidade para qual a contribuição foi criada, imperiosa a declaração de inexistência de relação jurídico-tributária.

Inclusive, em fevereiro de 2012 a Caixa Econômica Federal – CEF emitiu o Ofício nº 0038/2012/SUFUG/GEPAS informando que os recursos do FGTS estariam devidamente recompostos, razão pela qual a contribuição social instituída pelo artigo 1º da Lei Complementar 110/01 poderia ser extinta em julho de 2012.

Clarividente, pois, a inexistência de finalidade apta a justificar a manutenção de tal contribuição.

Alinhados, portanto, a essa compreensão, entendemos ser bastante recomendado o ajuizamento de ação visando à declaração da inexistência da relação jurídico-tributária em questão, requerendo, inclusive, a restituição dos valores pagos indevidamente nos últimos cinco anos. Poderá, ainda, ser requerida a antecipação de tutela para suspender a exigibilidade da obrigação tributária até o julgamento da ação.

Considerando que a grande maioria das empresas possuem domicílios fiscais e estabelecimentos comerciais em localidades diversas, assim como pelo fato gerador da contribuição reclamada ocorrer, em regra, de forma individualizada em cada estabelecimento (filiais)[1], a recomendação do escritório é pelo ajuizamento de uma ação sob o rito ordinário perante a Justiça Federal do Distrito Federal, com base no § 2º do artigo 109 da Constituição Federal.

Vale ressaltar, nesse sentido, que o Superior Tribunal de Justiça, ao apreciar o Recurso Especial nº 959.338-SP, sob o rito do art. 543-C do CPC, ratificou o entendimento de que é possível a juntada da prova demonstrativa do quantum debeatur apenas na fase de liquidação de sentença, o que facilitaria o ingresso da ação de forma imediata, sem prejuízo do levantamento dos comprovantes dos pagamentos durante o seu curso[2].

Diante de tais precedentes, a propositura da demanda versando sobre as questões anteriormente abordadas e que comportem a repetição de indébito, independe da imediata localização e juntada de todos os comprovantes de recolhimento dos períodos que se pretende restituir, cabendo a juntada à petição inicial apenas de alguns comprovantes de cada empresa para a demonstração de interesse processual.

Os sócios do escritório estão à disposição para esclarecimento de eventuais dúvidas acerca do assunto.
________________________________________
[1] “TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. CONTRIBUIÇÃO AO INCRA. REPETIÇÃO DE INDÉBITO. REPRESENTAÇÃO DAS FILIAIS. MATRIZ. ILEGITIMIDADE. PRECEDENTES.
1. A jurisprudência desta Corte tem entendimento firme no sentido de que a matriz não tem legitimidade para representar processualmente as filiais nos casos em que o fato gerador do tributo opera-se de maneira individualizada em cada estabelecimento comercial/industrial, uma vez que, para fins fiscais, matriz e filial são considerados entes autônomos. Precedentes: AgRg nos EDcl no REsp 1.283.387/RS, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, SEGUNDA TURMA, julgado em 10/04/2012, DJe 19/04/2012; AgRg no REsp 832.062/RS, Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES, SEGUNDA TURMA, julgado em 06/11/2008, DJe 02/12/2008; AgRg no REsp 642.928/SC, Rel. Ministra DENISE ARRUDA, PRIMEIRA TURMA, julgado em 06/03/2007, DJ 02/04/2007. 2. Agravo regimental a que se nega provimento.” (AgRg no REsp 1232736/RS, Rel. Ministro SÉRGIO KUKINA, PRIMEIRA TURMA, julgado em 27/08/2013, DJe 06/09/2013)

[2] “PROCESSUAL CIVIL – AÇÃO DE REPETIÇÃO DE INDÉBITO – TAXA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA – MUNICÍPIO DE LONDRINA – DESNECESSIDADE DE APRESENTAÇÃO DE TODOS OS COMPROVANTES DE PAGAMENTO COM A INICIAL – APURAÇÃO DO “QUANTUM DEBEATUR” NA LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA.
1. De acordo com a jurisprudência pacífica do STJ, em ação de repetição de indébito, no Município de Londrina, os documentos indispensáveis mencionados pelo art. 283 do CPC são aqueles hábeis a comprovar a legitimidade ativa ad causam do contribuinte que arcou com o pagamento indevido da exação. Dessa forma, conclui-se desnecessária, para fins de reconhecer o direito alegado pelo autor, a juntada de todos os comprovantes de recolhimento do tributo, providência que deverá ser levada a termo, quando da apuração do montante que se pretende restituir, em sede de liquidação do título executivo judicial. Acórdão sujeito ao regime do art. 543-C do CPC e da Resolução STJ 08/08. Recurso especial improvido”. (REsp 1111003 / PR – Relator Ministro Humberto Martins – Órgão Julgador Primeira Seção – DJe 25/05/2009)”.

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. DÚVIDAS E ESCLARECIMENTOS SOBRE AS MATÉRIAS AQUI VEICULADAS DEVERÃO SER DIRIGIDAS AO V&G.

Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Especial Nº 461

Aspectos Relevantes da Lei Brasileira de Proteção de Dados (LBPD) 21 de agosto de 2018 No último dia 14 de…

21 de agosto de 2018 em Legislação

Leia mais >

News Tributário Nº 460

DITR 2018 17 de agosto de 2018 A Receita Federal do Brasil publicou em 31 de julho de 2018, a…

17 de agosto de 2018 em News Tributário

Leia mais >