Velloza em Pauta – Edição Especial

6/05/2020 em Velloza em Pauta

STJ julgará repetitivo sobre a incidência de ICMS nas bases de cálculo do IRPJ e da CSLL no Lucro Presumido.

A 1ª Seção do STJ inseriu em pauta de julgamento, prevista para o próximo dia 13, o tema 1008 dos recursos repetitivos, sobre a possibilidade de inclusão do ICMS nas bases de cálculo do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), quando apurados pela sistemática do lucro presumido. Para definir a questão, o colegiado afetou três recursos especiais, de relatoria da ministra Regina Helena Costa, que serão julgados sob o rito dos recursos repetitivos (REsps ns. 1.767.631/SC, 1.772.634/RS e 1.772.470/RS).

A tese adotada pelos contribuintes é no sentido de que os valores arrecadados a título de ICMS são ingressos transitórios que não se incorporam ao patrimônio e não podem ser considerados como faturamento ou receita bruta. A Recorrente objetiva, ainda, a aplicação, por arrastamento, do quanto decidido no Tema 69 do STF, sob o regime da repercussão geral, no sentido de que “o ICMS não compõe a base de cálculo para incidência do PIS e da Cofins” à hipótese do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (e por conseguinte da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) apurado sob a sistemática do lucro presumido.

A União, entretanto, sustenta que não seria possível atribuir qualquer eficácia ou repercussão quanto ao decidido pelo STF no Tema 69 (RExt 574.706/PR), seja porque as bases de cálculo do PIS/COFINS e do Imposto de Renda versam sobre grandezas distintas, seja porque, no regime facultativo e benéfico do lucro presumido, as adições e exclusões são limitadas no contorno da legislação infraconstitucional que instituiu o regime tributário simplificado.

O STJ tinha o entendimento consolidado no sentido de que o ICMS deve compor as bases de cálculo do IRPJ e da CSLL apurados pelo lucro presumido (Exemplos de Precedentes: AgInt no REsp 1.761.307/SC, Rel. Min. Francisco Falcão; REsp 1.774.732/SC, Rel. Min. Herman Benjamin; AgRg no REsp 1.522.729/RN, Rel. Min. Assusete Magalhães)

É importante ter em mente que o STF, ao fixar a tese referente ao Tema 69 da repercussão geral, deixou claro o entendimento no sentido de que o ICMS não é faturamento ou receita do contribuinte, representando apenas ingresso que transita pelo caixa e é totalmente repassado ao fisco estadual. Não obstante o julgado se refira à exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS, o mesmo raciocínio pode ser aplicado à hipótese do IRPJ e CSLL apurados com base no lucro presumido, já que a base de cálculo é idêntica em ambos os casos, qual seja receita bruta (no caso dos últimos uma fração dela).

Assim, é necessário que a jurisprudência do STJ seja revista, de forma a compatibilizar com o entendimento da Suprema Corte.

 

VELLOZA EM PAUTA É UM INFORMATIVO DE JURISPRUDÊNCIA QUE SELECIONA CASOS RELEVANTES EM PAUTA NOS TRIBUNAIS, CONFORME INFORMAÇÕES PUBLICADAS PELAS PRÓPRIAS CORTES. AS INFORMAÇÕES SÃO PÚBLICAS E PODEM OU NÃO SE REFERIR A PROCESSOS PATROCINADOS PELO VELLOZA ADVOGADOS.
ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).
Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 619

Lei do Estado de São Paulo revoga benefício do IPVA para locadoras de veículos No último dia 15 de outubro…

23 de outubro de 2020 em News Tributário

Leia mais >

News CARF

Acórdãos CARF em Destaque ­ Nesta edição, destacamos acórdãos do CARF publicados até 09/2020 acerca de temas relevantes, organizados por…

15 de outubro de 2020 em News CARF

Leia mais >