Velloza Ata de Julgamento

15/10/2019 em Velloza Ata de Julgamento

Superior Tribunal de Justiça

 

REsp nº 1767945/RS – FAZENDA NACIONAL X APUCARANA LEATHER S/A – Relator: Min. Sérgio Kukina.
Tese: Definição do termo inicial da incidência de correção monetária no ressarcimento de créditos tributários escriturais: a data do protocolo do requerimento administrativo do contribuinte ou o dia seguinte ao escoamento do prazo de 360 dias previsto no art. 24 da Lei n. 11.457/2007. Tema 1.003 dos recursos repetitivos

A 1ª Seção do STJ iniciou, na última quarta-feira (09/10), o julgamento dos recursos repetitivos que discutem o termo inicial de correção monetária no ressarcimento de créditos tributários escriturais. Entretanto, o julgamento foi interrompido com o pedido de vista da Min. Regina Helena.
Na ocasião, apenas o Relator, Ministro Sérgio Kukina,  proferiu voto entendendo por conhecer e dar provimento ao recurso fazendário, propondo a fixação da seguinte tese: “o termo inicial da correção monetária de ressarcimento de credito escritural excedente de tributos sujeitos ao regime não-cumulativo ocorre somente após escoado o prazo de 360 dias para análise do pedido administrativo pelo fisco, artigo 24 da Lei 11.457/2007”.
De acordo com o relator, sua posição está pautada nos precedentes firmados pelo STJ nos Termas 269 (REsp 1138206/RS) e 270 (REsp 1138206/RS), que no sentido de que, tanto para os requerimentos efetuados anteriormente à vigência da Lei 11.457/07, quanto aos pedidos protocolados após o advento do referido diploma legislativo, o prazo aplicável é de 360 dias a partir do protocolo dos pedidos (art. 24 da Lei 11.457/07). Portanto, afirmou que não há como reconhecer postura ilegítima que fizesse nascer critério para fixação do termo inicial, senão depois de escoado os 360 dias de que dispõe a administração para apreciar o pedido do contribuinte. Prosseguindo no julgamento, pediu vista a Min. Regina Helena Costa.
Destaca-se que, embora a 1ª Seção, quando do julgamento do EREsp nº 1.461.607/SC, tenha decidido que a correção monetária somente incide após o encerramento do prazo de 360 dias previsto no artigo 24 da Lei nº 11.457/2007, concedido para a autoridade fiscal analisar o pedido administrativo de ressarcimento, contados da data do protocolo, o colegiado não chegou a analisar, especificamente, a tese envolvendo o marco inicial para incidência de correção monetária em créditos escriturais sob o rito dos repetitivos.
Em julgamento conjunto com o REsp 1.768.060/RS e o REsp 1.768.415/SC.

 

Supremo Tribunal Federal

 

RE 870947 – INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL – INSS x DERIVALDO SANTOS NASCIMENTO – Relator: Min. Luiz Fux
Tese: Créditos da Fazenda Pública devem ser corrigidos pelo IPCA-E e não pela Taxa Referencial (TR)

O Plenário do Supremo Tribunal Federal decidiu, no dia 03/10, por seis votos a quatro, que os créditos da Fazenda Pública devem ser corrigidos pelo IPCA-E e não pela Taxa Referencial (TR), ou seja, que as ações que tramitaram e geraram precatórios entre março de 2009 e março de 2015 devem ser pagas usando o IPCA-E.
A sessão iniciou com o voto-vista apresentado pelo Ministro Gilmar Mendes, que acompanhou o relator de modo a conferir eficácia prospectiva à declaração de inconstitucionalidade do índice do art. 1º-F da Lei nº 9.494/1997, com redação dada pela Lei nº 11.960/2009, no que foi acompanhado pelo Min. Dias Toffoli.
Entretanto, tal posição restou vencida e o tribunal rejeitou todos os embargos de declaração opostos, preservando a eficácia retroativa da declaração de inconstitucionalidade, não modulando os efeitos das teses fixadas, ao fundamento de não ser constitucionalmente possível a modulação, por não estarem presentes os requisitos previstos no art. 927, §3º, do CPC/2015.
Assim, o STF manteve os efeitos plenos das seguintes teses: 1) O art. 1º-F da Lei nº 9.494/97, com a redação dada pela Lei nº 11.960/09, na parte em que disciplina os juros moratórios aplicáveis a condenações da Fazenda Pública, é inconstitucional ao incidir sobre débitos oriundos de relação jurídico-tributária, aos quais devem ser aplicados os mesmos juros de mora pelos quais a Fazenda Pública remunera seu crédito tributário, em respeito ao princípio constitucional da isonomia (CRFB, art. 5º, caput); quanto às condenações oriundas de relação jurídica não-tributária, a fixação dos juros moratórios segundo o índice de remuneração da caderneta de poupança é constitucional, permanecendo hígido, nesta extensão, o disposto no art. 1º-F da Lei nº 9.494/97 com a redação dada pela Lei nº 11.960/09; e  2) O art. 1º-F da Lei nº 9.494/97, com a redação dada pela Lei nº 11.960/09, na parte em que disciplina a atualização monetária das condenações impostas à Fazenda Pública segundo a remuneração oficial da caderneta de poupança, revela-se inconstitucional ao impor restrição desproporcional ao direito de propriedade (CRFB, art. 5º, XXII), uma vez que não se qualifica como medida adequada a capturar a variação de preços da economia, sendo inidônea a promover os fins a que se destina.
Diante disso, a decisão, que tem repercussão geral, liberará cerca de 140 mil processos sobre o tema, que estavam suspensos à espera da decisão.


ADI 4705 – CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL – CFOAB – Relator Min. Roberto Barroso
Tese: É inconstitucional a exigência do ICMS nas operações interestaduais que destinem mercadorias a não contribuinte do imposto – “imposto de importação doméstico”

No último dia 03/10, o Plenário do STF declarou a inconstitucionalidade da Lei nº 9.582, de 12 de dezembro de 2011, do Estado da Paraíba, que dispõe sobre a exigência de parcela do ICMS, nas operações interestaduais que destinem mercadorias ou bens a consumidor final, cuja aquisição ocorrer de forma não presencial, por meio de internet, telemarketing ou showroom.
Desta forma, julgou procedente a ação declaratória de inconstitucionalidade, acatando os fundamentos trazidos pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil – CFOAB, de que a referida Lei que estabeleceu um regime de repartição de alíquotas de ICMS nas operações interestaduais destinadas a consumidores finais, não contribuinte do imposto, viola a ordem constitucional, porquanto, a Constituição Federal elegeu de forma clara, para essas operações, o regime exclusivo da ordem, em que o Estado de origem será o sujeito ativo do ICMS nas operações interestaduais aos consumidores finais que não forem contribuintes desse imposto.
Diante disso, a Corte entendeu que o Estado da Paraíba, ao constituir que o imposto fique integralmente com o Estado remetendo da mercadoria ou bem, estabeleceu a criação de diferença tributária em relação aos bens, em razão da sua procedência ou destino, o que é vedado pela Constituição Federal.


ADI 3631 – CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO SISTEMA FINANCEIRO – CONSIF – Relator: Min. Marco Aurélio
Tema: Operações típicas de seguradoras não constitui hipótese de incidência do ICMS

O Plenário do STF decidiu, dia 10/10, julgar procedente o pedido formulado na ADI 3631 para declarar a inconstitucionalidade da expressão “e a seguradora“, presente no inciso XI do parágrafo 1º do artigo 15 da Lei 2.657/1996 do Estado do Rio de Janeiro.
A norma previa a incidência do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre alienação de salvados (o que restou de bens segurados em caso de perda total) por empresas seguradoras.
Na ocasião, o tribunal acatou a proposta da Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif), que alegava que o objetivo das seguradoras ao vender os bens salvados é tentar recuperar parte da indenização de seguros pagas em razão da perda total do bem. Portanto, conforme a entidade, o produto da venda desses bens não constitui índice algum de capacidade econômica.
Deste modo, ao declarar a inconstitucionalidade da expressão “e a seguradora”, firmou o entendimento de que a operação de alienação de salvados, operações típicas das seguradoras, não constitui, sob qualquer óptica, circulação de mercadorias, conforme precedentes (ADI 1648 e  RE 588149).

­

VELLOZA ATA DE JULGAMENTO É UM INFORMATIVO DE JURISPRUDÊNCIA QUE SELECIONA CASOS RELEVANTES EM PAUTA NOS TRIBUNAIS, CONFORME INFORMAÇÕES PUBLICADAS PELAS PRÓPRIAS CORTES. AS INFORMAÇÕES SÃO PÚBLICAS E PODEM OU NÃO SE REFERIR A PROCESSOS PATROCINADOS PELO VELLOZA ADVOGADOS.
ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).
Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News China Desk

Brazilian provisional measures amidst the economic crises caused by CORONAVIRUS PANDEMIC To curb the consequences in the midst of one…

31 de março de 2020 em News China Desk

Leia mais >

News Societário Nº 570

MP ALTERA O PRAZO PARA REALIZAÇÃO DE AGO’S E REUNIÃO ANUAL DE SÓCIOS, PERMITE A PARTICIPAÇÃO REMOTA DE SÓCIOS E…

31 de março de 2020 em News Societário

Leia mais >