Velloza Ata de Julgamento

4/05/2018 em Velloza Ata de Julgamento

RESP 1726847/RS – LEAO DIESEL LTDA x FAZENDA NACIONAL – Relator Min. Herman Benjamin
Tese: Possibilidade de restituição dos valores recolhidos a maior a título de PIS/COFINS-Importação, decorrente da inconstitucionalidade do art. 7º, I, da lei nº 10.865/04, sem a dedução dos créditos já aproveitados pelo contribuinte no regime não-cumulativo, nos termos do art. 15 da Lei nº 10.865/04.
Foi levado a julgamento pela Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça recurso especial interposto por empresa que pretendia restituir os valores recolhidos a maior a título de PIS/COFINS-importação, decorrente da inconstitucionalidade do art. 7º, I, da lei nº 10.865/04, sem a dedução dos créditos já aproveitados pelo contribuinte no regime não-cumulativo, nos termos do art. 15 da Lei nº 10.865/04. Contudo, a Turma, por unanimidade, entendeu que o aproveitamento do crédito apurado é vinculado às contribuições de PIS e COFINS incidentes e realmente recolhidas na importação de bens e serviços, de modo que o indevido  alargamento da base de cálculo do PIS-Importação e da Cofins-Importação implica  indevido aumento do crédito a ser restituído.
Deste modo, concluiu que na compensação deve ser deduzida a quantia equivalente aos créditos já eventualmente aproveitados em virtude da aplicação do art. 15 da Lei 10.685/2004, sob pena de enriquecimento sem causa da parte da recorrente.


RESP 1729218/SP – ANDIA CONTABILIDADE LTDA – ME x MUNICÍPIO DE SANTA BARBARA D’OESTE – Relator Min. Herman Benjamin
Tese: Discute se o simples fato de ser constituída sob a forma de sociedade limitada afasta o direito da empresa ao regime especial do ISS previsto no art. 9º do Decreto-Lei nº 406/68
Conforme informamos no Velloza em Pauta – Edição Maio, na assentada do último dia 03, a Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça julgou o REsp nº 1729218/SP, que versa sobre a possibilidade de a recorrente, por ser optante do Simples Nacional, possuir o direito ao recolhimento do ISS com base em valor fixo, aplicando o disposto no art. 18, §§22 – A e 5ºB, alínea XIV da Lei Complementar n. 123/06.
Entretanto, por unanimidade, seguindo o voto do Sr. Ministro Relator Herman Benjamin, a Turma negou provimento ao recurso especial, entendendo que, segundo as premissas fixadas pelo Tribunal de origem, a empresa recorrente não é sociedade uniprofissional, mas sim assume a forma de sociedade empresarial, razão pela qual  não possui direito ao recolhimento do ISS por valor fixo. Para tanto, aduziu que o regime estabelecido pela LC 123/06 não revogou a regulação do tema pelo Decreto-Lei nº 406/68, plenamente aplicável ao caso, na medida em que a Constituição Federal e o art. 1º, da LC nº 116/03 asseguram a competência tributária do ente municipal para fiscalizar e arrecadar o ISS, esclarecendo que o Simples Nacional constitui mero regime diferenciado de arrecadação, cobrança e fiscalização, destinado a desburocratizar a tributação das microempresas e empresas de pequeno porte, e não instrumento que autoriza a União a se sobrepor à competência tributária e legislativa dos Estados-membros, DF e municípios, questão essa a ser apreciada no bojo do recurso extraordinário interposto.


RESP 1730229/SP – FAZENDA NACIONAL x SADIA S.A – Relator Min. Herman Benjamin
Tese: Discute se a responsabilização direta da empresa tomadora do serviço pela contribuição previdenciária sobre o trabalho contratado exige prévia fiscalização da empresa fornecedora da mão de obra.
A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça  levou a julgamento o recurso especial da Fazenda Nacional, concluindo por conhecê-lo parcialmente e, nessa parte, negar-lhe provimento, nos termos do entendimento já pacificado pelo Superior Tribunal de Justiça, conforme adiantado no Velloza em Pauta – Edição Maio, no sentido de reconhecer que, no período anterior a vigência da Lei nº 9.711/98, ainda que presente a responsabilidade solidária da tomadora de serviços em relação à contribuição previdenciária da prestadora, seria indispensável a fiscalização prévia da empresa prestadora.
Assim, o Ministro Relator esclareceu que a demanda se refere a contribuições previdenciárias relativas ao  período anterior a 01/02/1999, motivo pelo qual a constituição do crédito tributário por meio aferição indireta nas contas do tomador de serviços, sem constatação prévia do não pagamento do tributo pela prestadora, foi irregular.


RESP 1730831/SP – V.P.V. – VITRINE PROMOCIONAL DE VENDAS E COMÉRCIO EIRELI ME x FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO – Relator Min. Herman Benjamin
Tese: Discute-se a incompatibilidade da atuação de advogados como julgadores do Tribunal de Impostos e Taxas do estado e a consequente nulidade do julgamento administrativo
A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça conheceu parcialmente do recurso especial da empresa e, nessa parte, negou-lhe provimento nos termos do voto do Sr. Ministro Relator Herman Benjamin, por entender que modificar esta decisão do Tribunal local, no sentido de que a parte recorrente não ilidiu a presunção de higidez e legitimidade do julgamento administrativo, ocasionando sua nulidade, demandaria o reexame fático-probatório dos autos, o que é inviável ao recurso especial, com óbice à sumula 7/STJ, além do que o recurso especial não pode ser utilizado para examinar a inconstitucionalidade da Lei Estadual nº 13.918/09, pois denota, além de matéria a ser decidida pelo STF em recurso extraordinário, ser norma de caráter local, inviável de exame em apelo especial, ante o óbice da Súmula nº 280/STF.


RESP 1732000/SP – STAMPLINE METAIS ESTAMPADOS LTDA x FAZENDA NACIONAL – Relator Min. Herman Benjamin
Tese: Não inclusão do ICMS da base de cálculo da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB), substitutiva da contribuição sobre a folha de salário.
Foi a julgamento no último dia 05 recurso especial do contribuinte que pretendia  a extensão do entendimento firmado pelo STF acerca da não inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da COFINS à Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta – CPRB, substitutiva da contribuição sobre a folha de salários de alguns setores incentivados (Lei nº 12.546/11).
Na ocasião, a Segunda Turma seguiu o posicionamento do Superior Tribunal Federal no Tema 69 da repercussão geral e deu provimento ao recurso especial da empresa para reconhecer que o ICMS também não integra a base de cálculo da contribuição previdenciária sobre a Receita Bruta – CPRB, prevista nos artigos 7º e 8º da Lei nº 12.456/11.

 

VELLOZA ATA DE JULGAMENTO É UM INFORMATIVO DE JURISPRUDÊNCIA QUE SELECIONA CASOS RELEVANTES EM PAUTA NOS TRIBUNAIS, CONFORME INFORMAÇÕES PUBLICADAS PELAS PRÓPRIAS CORTES. AS INFORMAÇÕES SÃO PÚBLICAS E PODEM OU NÃO SE REFERIR A PROCESSOS PATROCINADOS PELO VELLOZA ADVOGADOS.
ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 453

Justiça Federal de São Paulo reconhece que empresas de leasing podem excluir as receitas financeiras da base de cálculo do…

12 de julho de 2018 em News Tributário

Leia mais >

News Especial Nº 452

Projeto de Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais é aprovado pelo Senado Federal 11 de julho de 2018 Foi…

11 de julho de 2018 em Legislação

Leia mais >