Velloza Ata de Julgamento

12/05/2020 em Velloza Ata de Julgamento

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

REsp nº 1844360/RS – ARTEMOBILI MOVEIS LTDA x FAZENDA NACIONAL – Relator: Min. Herman Benjamin
Tema: Possibilidade de extinção da CPRB no curso do exercício de 2018 (“reoneração da folha”)
A 2ª Turma do STJ, ao analisar a questão referente a possibilidade de extinção da CPRB no curso do exercício de 2018 (“reoneração da folha”), entendeu que é de competência do STF a análise quanto a revogação de ato legislativo (artigo 12 da Lei nº 13.670/2018).
Para o colegiado, uma vez que o cerne argumentativo do contribuinte se volta contra a revogação do ato legislativo ( artigo 12 da Lei nº 13.670/2018) que é claramente amparado, entre outros, pelos princípios constitucionais da legalidade tributária, anterioridade nonagesimal, confiança e segurança jurídica, o que afronta diretriz constitucional, não compete ao STJ julgar a tese recursal, sendo de competência exclusiva do Supremo Tribunal Federal.
Diante disso, a Corte não conheceu do recurso especial interposto pelo contribuinte no que tange à possibilidade de extinção da CPRB no curso do exercício de 2018 (“reoneração da folha”).
Entretanto, no voto do relator, Min. Herman Benjamin, foi destacado que o acórdão proferido pelo Tribunal de origem, que concluiu pela legalidade da referida lei, corretamente asseverou que o próprio artigo 178 do CTN, que afirma que “a isenção, salvo se concedida por prazo certo e em função de determinadas condições, pode ser revogada ou modificada por lei, a qualquer tempo, observado o disposto no inciso III do art. 104”.


SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

RE 666156 – GD EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S/A x MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO – Relator: Min. Roberto Barroso
Tema: Seletividade de IPTU antes da Emenda Constitucional nº 29/2000.
Por meio de sessão virtual, o STF, analisando o Tema 523 da Repercussão Geral, fixou a tese de que “são constitucionais as leis municipais anteriores à Emenda Constitucional n° 29/2000, que instituíram alíquotas diferenciadas de IPTU para imóveis edificados e não edificados, residenciais e não residenciais”.
Com esse entendimento, a Suprema Corte negou provimento ao recurso extraordinário interposto pela empresa contribuinte, rechaçando os argumentos de que a Lei nº 691/84 do Rio de Janeiro seria inconstitucional, uma vez que foi editada anteriormente à Emenda Constitucional 29/2000, que permitia a instituição de alíquotas progressivas do IPTU.
De acordo com a contribuinte, antes da EC nº 29/2000, não havia previsão constitucional que admitisse alíquotas diferentes de IPTU entre imóveis residenciais e não-residenciais, pois a destinação/uso do imóvel não era um parâmetro de mensuração do cumprimento da função social da propriedade.

­

VELLOZA ATA DE JULGAMENTO É UM INFORMATIVO DE JURISPRUDÊNCIA QUE SELECIONA CASOS RELEVANTES EM PAUTA NOS TRIBUNAIS, CONFORME INFORMAÇÕES PUBLICADAS PELAS PRÓPRIAS CORTES. AS INFORMAÇÕES SÃO PÚBLICAS E PODEM OU NÃO SE REFERIR A PROCESSOS PATROCINADOS PELO VELLOZA ADVOGADOS.
ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).
Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 619

Lei do Estado de São Paulo revoga benefício do IPVA para locadoras de veículos No último dia 15 de outubro…

23 de outubro de 2020 em News Tributário

Leia mais >

News CARF

Acórdãos CARF em Destaque ­ Nesta edição, destacamos acórdãos do CARF publicados até 09/2020 acerca de temas relevantes, organizados por…

15 de outubro de 2020 em News CARF

Leia mais >