Regras para pagamentos eletrônicos a partir de maio

14/04/2014 em Velloza na Imprensa

Consumidor Moderno

São Paulo – 14 de abril de 2014

Entrevista com Dra. Hildelene Bertolini, Advogada especialista em Direito Civil e Comercial V&G.

Anunciado em novembro passado pelo Banco Central, o marco regulatório para pagamentos eletrônicos entrará em vigor a partir do mês que vem. O documento foi editado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) baseado em duas resoluções e quatro circulares datadas do mesmo período de 2013.

A medida regulamenta transações feitas via cartão de crédito e pré-pagos, moedas eletrônicas, além de pagamentos feitos por meio de serviços móveis. A partir de sua efetividade, as empresas do setor serão diretamente supervisionadas pelo BC e serão integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB).

Para a advogada especialista em Direito Civil e Comercial, Hildelene Bertolini, do escritório Velloza & Girotto Advogados Associados, os efeitos da norma são positivos, já que regulamentam um setor que cresceu sem a devida orientação. “Há, também, a questão de transparência e confiança entre o usuário final e a instituição de pagamento, que passarão a ocupar um papel fundamental”, pontua.

As Circulares nº 3.680, nº 3.681, nº 3.682 e nº 3.683 disciplinam, entre outros pontos, a conta de pagamento que deverá ser utilizada pelas instituições para registros de transações de usuários finais, o gerenciamento de riscos, os requerimentos mínimos de patrimônio, bem como os requisitos e procedimentos para constituição, autorização para funcionamento, alterações de controle e reorganizações societárias destas instituições.

De acordo com o BC, as novas regras criam um ambiente favorável especialmente para o crescimento de meios de pagamento voltados à parcela da população ainda não bancarizada.

“Como se trata de uma regulamentação nova, há insegurança sobre os critérios de análise que serão adotados em relação à documentação que deverá ser apresentada nos pedidos de autorização destas instituições. Entretanto, por ser um processo totalmente novo, somente com o início das análises dos referidos pedidos pela autarquia é que poderemos ter uma diretriz mais clara e realizar eventuais ajustes necessários”, conclui Bertolini.

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. DÚVIDAS E ESCLARECIMENTOS SOBRE AS MATÉRIAS AQUI VEICULADAS DEVERÃO SER DIRIGIDAS AO V&G.

 

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 396

MP nº 794/2017 – Exigência imediata do adicional de 1% da alíquota da Cofins-Importação é inconstitucional 15 de agosto de…

15 de agosto de 2017 em News Tributário

Leia mais >

Velloza Ata de Julgamento

TJ-SP determina a suspensão de processos que discutem a exclusão de TUSD e TUST da base de ICMS IRDR 2246948-26.2016.8.26.0000…

4 de agosto de 2017 em Velloza Ata de Julgamento

Leia mais >