Prazo de contestação em processos tributários e a desnecessidade de audiência de conciliação e mediação

19/01/2016 em Velloza na Imprensa

Fonte: Migalhas

Artigo escrito por Fabio Paré Tupinambá, Advogado Associado V&G.

Por hora a transação tributária no âmbito Federal não é possível, o que revela a dispensa da audiência de conciliação e mediação.

A leitura do novo CPC (lei 13.105/15) revela uma inclinação para que se dê audiência de conciliação ou de mediação (entre outros o artigo 334 do NCPC) e tal audiência tem impacto em pelo menos dois aspectos, quais sejam, no dever das partes em revelarem o seu interesse na audiência e na forma em que se conta o prazo para contestação.

Toma o NCPC o dever das partes em afirmarem quando não tem interesse pela realização de audiência de conciliação ou de mediação: ao autor em sua petição inicial, o réu em petição a ser apresentada com 10 (dez) dias de antecedência da audiência (artigo 334 do NCPC, em especial o seu § 5º).

Quanto ao prazo para contestação, caso a audiência seja agendada o termo inicial para o réu ofertar a sua contestação será, em apertada síntese, da audiência de conciliação.

Todavia, quando o réu vaza a petição pelo seu desinteresse, aqui coincidente com o desinteresse do autor, é deste protocolo que se têm o termo para apresentar contestação.

Finalmente, afora estes dois casos citados acima, pouco importa a audiência para a contagem do prazo de contestação (que remete ao artigo 231 do NCPC).

Esta última hipótese, em que a audiência de conciliação e mediação não importa para a contagem do prazo de contestação, é a que deve ser aplicada ao caso de litígios que versem sobre Direito Tributário, uma vez que, sem lei específica, não se admite composição neste âmbito.

Com efeito, embora a denominada nova lei de mediação (lei 13.140/15) preveja inclusive a composição entre particular e pessoa jurídica de Direito Público, o artigo 171 do Código Tributário Nacional exige lei para que se tenham as condições da transação da obrigação tributária, além de qual será a autoridade competente para autorizar a transação referida.

Entretanto, inexiste a referida lei exigida pelo artigo 171 do Código Tributário Nacional, embora em trâmite perante a Câmara dos Deputados projeto nesse sentido, o PL 5.082/09. Ou seja, por hora a transação tributária no âmbito Federal não é possível, o que revela a dispensa da audiência de conciliação e mediação.

Dessa forma, entende-se que nas ações que tenham como objeto obrigações tributárias:

deve o Autor informar em sua inicial que não se pode conceber a audiência de conciliação e mediação;

no mandado de citação deve se fazer constar que a contagem do prazo é àquela constante do artigo 231 do NCPC, com a dobra de prazo do artigo 183 do NCPC, consoante o inciso II do artigo 250 do NCPC.

cabe ao réu apresentar sua contestação sem qualquer anteparo pela petição de desinteresse na audiência de conciliação, a qual não precisa se dar, como acima explicitado.

Eventualmente, com o advento de lei específica à qual se refere o artigo 171 do Código Tributário Nacional, outras diretrizes podem se dar, inclusive, eventualmente, mudanças no procedimento do feito, por ajuste das partes, como se tem com o artigo 190 do NCPC. Algo muito interessante, provavelmente.

Até lá, até que venham outras disposições, como acima afirmado, se entende que não se faz necessária a realização – ou efeitos na contagem de prazos – da audiência de conciliação e mediação nas ações que tenham com base obrigações tributárias.

_______________

*Fabio Paré Tupinambá é advogado associado da área tributária da banca Velloza & Girotto Advogados Associados.

VER TAMBÉM

News Especial Nº 461

Aspectos Relevantes da Lei Brasileira de Proteção de Dados (LBPD) 21 de agosto de 2018 No último dia 14 de…

21 de agosto de 2018 em Legislação

Leia mais >

News Tributário Nº 460

DITR 2018 17 de agosto de 2018 A Receita Federal do Brasil publicou em 31 de julho de 2018, a…

17 de agosto de 2018 em News Tributário

Leia mais >