Plataformas compensam IR entre fundos de diferentes administradores

13/09/2016 em Imprensa

Fonte: Valor Econômico

13 de setembro de 2016

Entrevista com Guilherme Cooke e Elisa Henriques, Sócio e Associada V&G.

Por Adriana Cotias e Toni Sciarretta

Quando o aplicador escolhe seus fundos de investimentos, além de composição das carteiras, risco, taxa de administração e regras de liquidez ou carência, uma questão adicional deveria constar no rol de perguntas ao intermediário que lhe fez a oferta: esse distribuidor tem capacidade de fazer a compensação tributária entre perdas e ganhos de um portfólio com outro? Num momento em que proliferam no mercado plataformas abertas, que oferecem fundos de múltiplos gestores, essa é uma questão pertinente que, no fim das contas, vai interferir na rentabilidade global do investidor.

Entre os grandes administradores – a figura responsável pelo funcionamento do fundo, controlando os diversos prestadores: gestor, custodiante e auditor – é praxe fazer tal compensação, principalmente no varejo de alta renda. Mas um novo personagem surgiu no mercado nos últimos anos: as corretoras ou distribuidoras que atuam por “conta e ordem” do cliente. São elas que captam os recursos do investidor destinados a determinados gestores e conhecem quem está na ponta final. Passam a ser, por tabela, as responsáveis fiduciárias e tributárias desses aplicadores, recolhendo o imposto de renda quando há ganho de capital na hora do resgate.

Só que havia uma questão ainda controversa, se essas instituições ao distribuírem fundos de inúmeros gestores e ter a visão global do aplicador poderiam compensar a perda de uma carteira com o ganho de outra mesmo quando os fundos tivessem sob a tutela de diferentes administradores. Para dirimir esse ponto, há um ano e meio, a XP Investimentos questionou formalmente a Receita Federal, que respondeu positivamente na Solução de Consulta n° 38, publicada em maio no Diário Oficial da União.

“Dúvida retirada, deu liberdade para que as plataformas integradas, que operam por conta e ordem, façam a compensação independentemente de quem administra o fundo. Isso traz uma vantagem tributária para o cliente”, diz Gustavo Pires, sócio da XP e responsável pela plataforma de fundos da casa. A boa notícia, diz, é que os sistemas conseguem retroagir a prejuízos acumulados desde 2010, quando a instituição começou a operar na plataforma.

A prática mais comum é fazer a compensação entre fundos de ações, que estão debaixo da mesma alíquota de IR, de 15%, e reúnem um patrimônio de R$ 160,2 bilhões, já que essas carteiras estão mais sujeitas a prejuízos. “Já vínhamos fazendo para os fundos de renda variável e agora há um projeto pesado de desenvolvimento [tecnológico] para ampliar o escopo para fundos de longo prazo”, diz Pires, referindo-se à inclusão dos multimercados.

Aos olhos do Fisco, os fundos têm três classificações tributárias: curto prazo, com imposto de renda travado em 20%; longo prazo, grupo no qual incide a tabela regressiva de IR, que começa em 22,5% e cai a 15% após dois anos de aplicação; e os fundos de renda variável, com alíquota linear de 15%.

A auditora fiscal da Receita Federal Maria da Consolação Silva, uma das técnicas que assinam a Solução de Consulta n° 38, esclarece, porém, não ser possível fazer a compensação em portfólios de natureza distinta, como fundos de ações e multimercados, mesmo que estejam sob a mesma alíquota de tributação. Em resposta à reportagem por e-mail, ela também informou que o órgão tributário não prevê compensação entre diferentes produtos de investimentos, corno renda fixa, ações e fundos.

A Orama, com meia centena de fundos na sua plataforma, já vinha fazendo a compensação para fundos de ações de diferentes administradores e quer, até o fim do ano, incorporar essa prática às carteiras de longo prazo, diz a consultora financeira da plataforma, Sandra Blanco. “Em multimercados, está em fase final de homologação. Estamos testando um pouco mais porque é um produto mais complexo por ter a antecipação do IR a cada semestre’, diz, referindo-se ao come-cotas que, em maio e setembro, subtrai as cotas relativas ao imposto do aplicador.

A Guide, por sua vez, com 75 fundos distribuídos, está em fase de finalização de sistemas para começar a fazer a compensação tributária de diferentes administradores até o fim do ano, diz o gestor Leonardo Uram. “É uma grande vantagem para o investidor, isso já está na nossa pauta”, afirma.

A compensação é relevante porque os fundos são sujeitos à tributação exclusivamente na fonte. Não há como fazer isso na declaração anual de imposto de renda, diz o sócio do escritório BMA Paulo Bento, que assessorou a XP. Ele explica que a compensação tem de ser sempre em fundos com a mesma classificação tributária – curto prazo com curto prazo e longo prazo, com longo prazo – e entende não ser possível estender essa prática misturando um multimercado com um fundo de ações.

O administrador ou intermediário que não faz a compensação tributária perde competitividade e está um passo atrás, afirma Carlos Augusto Salamonde, diretor de serviços de gestão do BNY Mellon para o Brasil. Para ele, a possibilidade de transferir tal função para o distribuidor – no caso, para as plataformas de investimentos – foi um grande avanço para o mercado porque, no caso das instituições que atuam por conta e ordem, o cotista só aparecia para a Mellon como um número. “Se um prejuízo não é compensado, o investidor está pagando imposto de renda à toa. Paga quando ganhou e não tem o beneficio do fundo em que perdeu”, afirma.

Procuradas, outras grandes administradoras do mercado – Intrag (do Itaú), BTG Pactual e BEM DTVM (do Bradesco) – não concederam entrevista.

O sócio do Velloza & Girotto Advogados Associados Guilherme Cooke sugere que o investidor, mesmo debaixo de instituições tradicionais e com sistemas operacionais robustos, não presuma que a compensação ocorrerá de forma automática. Isso porque, conforme esclarece a especialista tributária do escritório, Elisa Henriques, a norma da Receita Federal fala da possibilidade de compensação e não de uma obrigação.

Ela assinala que a prerrogativa da compensação tributária para distribuidores e não só administradores valia desde a instrução normativa n° 1022 de 2010. A própria Receita cita a norma na Solução de Consulta endereçada à XP.

“Há uma dificuldade operacional grande”, diz Elisa “Para fazer a compensação eletrônica, é preciso identificar e alocar para cada um dos cotistas a perda existente.” Cooke completa dizendo que, se não há segurança no processo operacional, esse é um risco jurídico que o distribuidor prefere não correr “para dar um beneficio que nem todo mundo pede”.

Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 619

Lei do Estado de São Paulo revoga benefício do IPVA para locadoras de veículos No último dia 15 de outubro…

23 de outubro de 2020 em News Tributário

Leia mais >

News CARF

Acórdãos CARF em Destaque ­ Nesta edição, destacamos acórdãos do CARF publicados até 09/2020 acerca de temas relevantes, organizados por…

15 de outubro de 2020 em News CARF

Leia mais >