News Tributário Nº 571 – News Especial Covid-19

2/04/2020 em News Tributário

Decreto nº 10.305/2020: Alíquota Zero de IOF/Crédito para Operações de Crédito Contratadas Entre 03 de Abril de 2020 e 03 de Julho de 2020

Foi publicado na data de hoje (02.04.2020) no Diário Oficial da União, o Decreto nº 10.305, de 01.04.2020 (“Decreto nº 10.305/2020”), que altera os artigos 7º e 8º do Decreto nº 6.306, de 14.12.2007, que regulamenta o Imposto sobre Operação de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Título ou Valores Mobiliários (“IOF”) (“Regulamento do IOF”), particularmente com relação ao modo incidente sobre as operações de crédito (“IOF/Crédito”).

De acordo com o artigo 1º do Decreto nº 10.305/2020, todas as operações de crédito previstas nos incisos I, II, III, IV, V, VI, e VII do caput do artigo 7º do Regulamento do IOF[1], contratadas entre 03.04.2020 e 03.07.2020, passam a sujeitar-se à incidência do IOF/Crédito, incluindo no que concerne à incidência adicional do IOF/Crédito (“IOF/Crédito Adicional”) prevista no parágrafo 15 do artigo 7º do Regulamento do IOF, à alíquota zero (“Alíquota Zero IOF/Crédito”).

Neste contexto, e considerando que o marco adotado pela Presidência da República foi a contratação das operações de crédito, no que concerne particularmente às operações de crédito sem valor de principal definido, sujeitas ao IOF/Crédito com base nos saldos devedores diários apurados no último dia de cada mês (i.e., as “Operações Saldo Devedor Diário”), destacamos que, apesar de nos parecer que a intenção da Alíquota Zero IOF/Crédito em análise foi a de facilitar e desonerar a tomada de crédito durante o período a que se refere, em especial diante dos impactos econômicos decorrentes da pandemia do Covid-19, sua redação não é clara no que diz respeito à forma/metodologia com base na qual a Alíquota Zero IOF/Crédito deverá ser aplicada aos contratos relativos a Operações Saldo Devedor Diário já existentes – i.e., em que momento deverão ser entendidas como contratadas as Operações Saldo Devedor Diário já existentes anteriormente à vigência do Decreto nº 10.305/2020, mas cujo saldo devedor se renova mensalmente, para fins da aplicação da Alíquota Zero IOF/Crédito. A nosso ver, estas hipóteses devem ser analisadas individualmente e com cautela, a fim de que, com base em uma análise pormenorizada dos elementos particulares de cada operação de crédito, seja possível avaliar a aplicabilidade da Alíquota Zero IOF/Crédito em cada caso específico.

Já com relação às operações de crédito com valor de principal definido (i.e., as “Operações Principal Definido”), particularmente no que se refere à prorrogação, renovação, novação, composição, consolidação, confissão de dívida e negócios assemelhados, relativas a operação de crédito em que não haja substituição de devedor (“Eventos de Renegociação”), o Decreto nº 10.305/2020 esclarece que, para os Eventos de Renegociação contratados/realizados entre 03.04.2020 e 03.07.2020, a incidência complementar do IOF/Crédito (“IOF/Crédito Complementar”) (prevista no parágrafo 7º do artigo 7º do Regulamento do IOF) também ficará reduzida a zero (“Alíquota Zero IOF/Crédito Complementar”), sem prejuízo da parcela de IOF/Crédito já cobrada quando da disponibilização dos recursos ao interessado/mutuário.

No que diz respeito às operações de crédito não liquidadas no vencimento (de que trata o parágrafo 2º do artigo 7º do Regulamento do IOF), o Decreto nº 10.305/2020 também estende a aplicação da Alíquota Zero IOF/Crédito Complementar a essas operações, quando verificados, durante o período entre 03.04.2020 e 03.07.2020, a sua liquidação ou algum dos Eventos de Renegociação relativos a essas mesmas operações.

Por fim, importante mencionar que o Decreto nº 10.305/2020 ainda reduz a zero a alíquota do IOF/Crédito Adicional prevista no parágrafo 5º do artigo 8º do Regulamento do IOF em determinadas operações de crédito já sujeitas à alíquota zero com relação a incidência regular do IOF/Crédito – a saber, nas operações de crédito:

• em que figure como tomadora cooperativa (artigo 8º, inciso I);

• rural, destinada a investimento, custeio e comercialização (artigo 8º, inciso IV);

• realizadas por caixa econômica, sob garantia de penhor civil de joias, de pedras preciosas e de outros objetos (artigo 8º, inciso V);

• realizadas por instituição financeira, referentes a repasse de recursos do Tesouro Nacional destinados a financiamento de abastecimento e formação de estoques reguladores (artigo 8º, inciso VI);

• realizadas ao amparo da Política de Garantia de Preços Mínimos – Empréstimos do Governo Federal – EGF (artigo 8º, inciso X);

• relativas a empréstimo de título público, quando esse permanecer custodiado no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia – SELIC, e  servir de garantia prestada a terceiro na execução de serviços e obras públicas (artigo 8º, inciso XI);

• relativas a transferência de bens objeto de alienação fiduciária, com sub-rogação de terceiro nos direitos e obrigações do devedor, desde que mantidas todas as condições financeiras do contrato original (artigo 8º, inciso XIV);

• relativas a adiantamento sobre o valor de resgate de apólice de seguro de vida individual e de título de capitalização;

• relativas à aquisição de ações ou de participação em empresa, no âmbito do Programa Nacional de Desestatização (artigo 8º, incido XVIII);

• resultantes de repasse de recursos de fundo ou programa do Governo Federal vinculado à emissão pública de valores mobiliários (artigo 8º, inciso XIX);

• realizadas por agente financeiro com recursos oriundos de programas federais, estaduais ou municipais, instituídos com a finalidade de implementar programas de geração de emprego e renda (artigo 8º, inciso XXI); e

• relativas a financiamentos para aquisição de motocicleta, motoneta e ciclomotor, em que o mutuário seja pessoa física (artigo 8º, inciso XXVI).

O Decreto nº 10.305/2020 entrou em vigor na data de sua publicação e o escritório se coloca à disposição para o esclarecimento de eventuais dúvidas e análise das medidas cabíveis em cada caso.

 __________________________

[1]A saber:
· operações de empréstimo, sob qualquer modalidade, inclusive abertura de crédito;
· operações de desconto, inclusive de alienação a empresas de factoring de direitos creditórios resultantes de vendas a prazo;
· adiantamentos a depositante;
· empréstimos, inclusive sob a forma de financiamento, sujeitos à liberação de recursos em parcelas, ainda que o pagamento seja parcelado;
· excessos de limite, ainda que o contrato esteja vencido;
· operações referidas nos itens i a v acima, quando se tratar de mutuário pessoa jurídica optante pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (“Simples Nacional”), de que trata a Lei Complementar no 123, de 14.12.2006, em que o valor seja igual ou inferior a R$ 30.000,00 (trinta mil reais);
· operações de financiamento para aquisição de imóveis não residenciais, em que o mutuário seja pessoa física.

 

Equipe Responsável: Consultoria Tributária – Tributos Diretos

Fernanda Junqueira Calazans
fernanda.calazans@velloza.com.br
(11) 3145 0954

Elisa da Costa Henriques
elisa.henriques@velloza.com.br
(11) 3145 0954

Juliana Hernandes Curiel Bastos
juliana.curiel@velloza.com.br
(11) 3145 0082

Allexandre Assis Bighetti
allexandre.bighetti@velloza.com.br
(11) 3145 0934

­

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).
Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 619

Lei do Estado de São Paulo revoga benefício do IPVA para locadoras de veículos No último dia 15 de outubro…

23 de outubro de 2020 em News Tributário

Leia mais >

News CARF

Acórdãos CARF em Destaque ­ Nesta edição, destacamos acórdãos do CARF publicados até 09/2020 acerca de temas relevantes, organizados por…

15 de outubro de 2020 em News CARF

Leia mais >