News Tributário Nº 386

21/06/2017 em News Tributário

Regime de Desoneração da Folha de Pagamento

21 de junho de 2017

O Senador Airton Sandoval, Relator da Medida Provisória n° 774 (“MP n° 774”), que tratou da reoneração da folha de pagamento, propôs ontem, dia 20 de junho de 2017, em seu parecer, que tal medida seja adiada para 1° de janeiro de 2018. Além disso, o Senador incluiu na MP mais 6 (seis) setores (ver abaixo) para continuarem contribuindo com a Previdência Social sobre a receita bruta e não sobre a folha, além dos setores já preservados pelo governo.

Somente para relembrar, a medida de desoneração foi instituída em 2011, e previu para vários setores, o pagamento da contribuição em percentual, variando entre 1,5% e 4,5% sobre o faturamento bruto, a chamada Contribuição Previdenciária Sobre a Receita Bruta (“CPRB”), ao invés dos 20% sobre a folha de salários.

Como a MP n° 774 exclui a CPRB para grande parte dos beneficiados no meio do ano calendário, ou seja, a partir de 1° de julho de 2017, muitos contribuintes se sentiram lesados e passaram a procurar no judiciário formas de continuarem pagando a referida contribuição sobre a receita bruta, sendo que muitos têm obtido êxito sob o fundamento de que como o artigo 9º,  parágrafo 13 da Lei 12.546/11 dispunha que a opção era irretratável e para vigorar durante todo o ano calendário, não caberia ao governo alterar as regras do jogo no meio do exercício, sob pena de violar princípios constitucionais. A propósito do assunto, têm sido concedidas liminares nas principais capitais do país.

Foi com base em dados levantados pela FIESP, que afirma que do ponto de vista do desemprego a MP n°774 poderá  gerar prejuízos incalculáveis para a economia,  que o Senador Sandoval apresentou parecer para postergar a sua aplicabilidade.

Cabe lembrar, ainda, que foram acrescidos os setores de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), teleatendimento (call center), projeto de circuitos integrados, couro e calçado, confecção e vestuário e Empresas Estratégicas de Defesa (EED) para permanecerem no regime atual.

A decisão acerca de tais mudanças ficará para a próxima semana, após a leitura do Relatório do Senador Sandoval, que teve vistas coletiva concedida. Na hipótese de não ser adiada as alterações previstas na MP 774, caberá aos setores prejudicados o direito de tentarem reverter no Poder Judiciário a aplicação imediata da MP, com boas chances de êxito.

Estamos acompanhando o assunto e qualquer novidade informaremos oportunamente.

Equipe Responsável:

José Carlos Mota Vergueiro
(11) 3145-0954
jcvergueiro@velloza.com.br

Denis Vieira Gomes
(11) 3145-0927
denis.gomes@velloza.com.br

Tamara Castrezana de Siqueira
(11) 3145-0912
tamara.siqueira@velloza.com.br

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 447

Município do Rio de Janeiro prevê reabertura do Programa Concilia Rio para pagamento de débitos tributários ou não relativos a…

19 de junho de 2018 em News Tributário

Leia mais >

News Tributário Nº 446

PRT (Medida Provisória nº 766/2017) – Demais Débitos Perante RFB – Consolidação 15 de junho de 2018 Foi publicada no…

15 de junho de 2018 em News Tributário

Leia mais >