News Tributário Nº 377

12/05/2017 em News Tributário

Parecer da Procuradoria-Geral da República opina pela exclusão do ICMS da base de cálculo da contribuição previdenciária prevista pela Lei nº 12.549/2011

12 de maio de 2017

Por meio de parecer apresentado no bojo do RE nº 1.034.004/SC, a Procuradoria-Geral da República opinou pelo provimento do recurso interposto por empresa do ramo de venda de artigos de cama e banho, buscando o reconhecimento da exclusão do ICMS da base de cálculo da contribuição previdenciária prevista pela Lei nº 12.549/2011, o qual deve vir a ser julgado em regime de repercussão geral.

Primeiramente, vale rememorar que o regime da desoneração da folha de salários, objeto da Lei nº 12.546/2011, determinou a substituição da contribuição previdenciária patronal incidente sobre 20% (vinte por cento) da remuneração paga aos segurados empregados, avulsos e contribuintes individuais (artigo 22, da Lei nº 8.212/1991), pela contribuição social incidente sobre a receita bruta auferida por empresas que se dediquem a determinadas atividades, à alíquota variável entre 1% (um por cento) e 5% (cinco por cento).

Diante da ausência de uma conceituação expressa do que venha a ser entendido como “receita bruta” pela mencionada lei, a Receita Federal do Brasil (“RFB”) publicou o Parecer Normativo nº 3/2012, o qual adotou o conceito já utilizado pela legislação de outros tributos federais, notadamente o PIS e a COFINS, vez que seus fatos geradores também se concentram na receita obtida por pessoa jurídica.

Nesse contexto, a tese apresentada pela empresa catarinense ganhou forma com a apresentação de parecer pela PGR, que conclui por sua procedência, amparada no recente julgamento do RE nº 574.706 pelo STF que, em sede de repercussão geral, fixou o entendimento de que o ICMS não compõe a base de cálculo para a incidência do PIS e da COFINS.

No mencionado parecer, o Subprocurador-Geral da República, Odim Brandão Ferreira asseverou: “Embora o presente feito não verse sobre base de cálculo de PIS e Cofins, seu desfecho deve ser orientado pela solução adotada no acórdão da repercussão geral (Tema 69). Afinal, as mesmas razões que levaram à conclusão de que a base de cálculo do Pis e da Cofins não compreende o ICMS, sob pena de sua ampliação indevida, valem para afastar a inclusão do aludido imposto na quantificação da contribuição previdenciária substitutiva da Lei 12.546/2011.

Tal posição externada pelo parecer da PGR corrobora o entendimento de que o posicionamento do STF acerca da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS deve ser aplicado também à contribuição previdenciária sobre a receita bruta, vez que representa ônus assumido pelas empresas perante os estados da Federação, não podendo servir de base de cálculo às aludidas contribuições.

Nesse sentido, o escritório recomenda o questionamento judicial da referida tributação, se colocando à disposição para esclarecimento de dúvidas acerca do assunto.

 

Equipe Responsável:

Rubens José N. F. Velloza
(11) 3145-0070
rubens.velloza@velloza.com.br

Newton Neiva de F. Domingueti
(11) 3145-0072
newton.domingueti@velloza.com.br

Fabrício Parzanese dos Reis
(11) 3145-0072
fabricio.parzanese@velloza.com.br

Leonardo Augusto Andrade
(11) 3145-0464
leonardo.andrade@velloza.com.br

Paula Galvão Fernandes
(11) 3145-0910
paula.fernandes@velloza.com.br

Fernanda Maria Martins Santos
(11) 3145-0057
fernanda.martins@velloza.com.br

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).

VER TAMBÉM

News Especial Nº 461

Aspectos Relevantes da Lei Brasileira de Proteção de Dados (LBPD) 21 de agosto de 2018 No último dia 14 de…

21 de agosto de 2018 em Legislação

Leia mais >

News Tributário Nº 460

DITR 2018 17 de agosto de 2018 A Receita Federal do Brasil publicou em 31 de julho de 2018, a…

17 de agosto de 2018 em News Tributário

Leia mais >