News Trabalhista e Previdenciário Nº 572

3/04/2020 em News Trabalhista e Previdenciário

(NEWS  ESPECIAL – ÁREA TRABALHISTA – VELLOZA ADVOGADOS)

MEDIDA PROVISÓRIA N. 936 DE 01/4/2020(“MP DOS SALÁRIOS”)

 

Com o objetivo de preservar, de um lado, os empregos e a renda dos empregados e, de outro, viabilizar as atividades econômicas pela diminuição das atividades dos empregadores, foi publicada a Medida Provisória n. 936/2020, instituindo o denominado  “Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda”, dispondo sobre medidas trabalhistas para enfrentar o período da pandemia decorrente do coronavirus (covid19) e reduzir seus impactos sociais.

1. SÍNTESE DAS DISPOSIÇÕES DA MP 936/2020:

A MP 936/2020 e, em síntese, prevê duas novas opções aos empregadores, duas medidas que poderão ser adotadas enquanto perdurar a pandemia, que até então não estavam previstas no ordenamento jurídico:

redução proporcional de jornada de trabalho e dos salários, na ordem de 25%, 50% ou 70%, pelo prazo de 90 dias OU

suspensão TEMPORÁRIA do contrato de trabalho (pelo prazo de 60 dias – admitindo fracionamento em dois períodos de 30 dias)

Uma vez adotada pelo empregador uma das duas opções (redução ou suspensão), por sua vez, o Governo Federal ( União Federal) efetuará o pagamento de um benefício emergencial aos empregados, denominado “Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda”, que é uma complementação da renda dos empregados,   cujo valor pago pelo Governo Federal será um percentual sobre o valor do seguro desemprego que o empregado teria direito na dispensa .

Qualquer que seja a medida adotada pelo empregador (redução ou suspensão), para ter validade e eficácia, necessitará de assinatura de acordo com o empregado (individual ou coletivo, dependendo da faixa salarial de cada empregado para ser exigido o ajuste diretamente com o empregado ou mediante participação do Sindicato da Categoria) e de comunicação ao Ministério da Economia da opção adotada pelo empregador. E, ainda, deverá ser enviada ao empregado a opção adotada pelo empregador com antecedência de 2 dias corridos.

Como regra, vale tanto acordo individual, quanto o acordo coletivo, prevalecendo esse último ao individual se for mais benéfico. A exceção é  que o acordo coletivo é obrigatório para quem sofreu redução salarial e de jornada e está na faixa salarial entre R$ 3.117,01 e R$ 12.202,11.

Além disso, as opções da MP 936/2020 resultam na garantia provisória no emprego durante o período da redução ou da suspensão e após o restabelecimento do contrato de trabalho/retorno das atividades normais pelo mesmo período.  Assim, se o empregado tiver suspenso o contrato por 60 dias, terá garantia de emprego por 120 dias ( o dobro dos dias de suspensão).

Na hipótese de suspensão do contrato de trabalho é obrigatória uma ajuda compensatória mensal paga pelo empregador para as empresas com receita bruta anual acima de R$ 4,8 milhões e facultativa a ajuda para empresas com receita bruta anual de até de R$ 4,8 milhões.

Ademais, o benefício emergencial pago pelo Governo não se aplica aos servidores públicos, celetistas vinculados a sociedades de economia mista, cargos comissionados, bem como a empregados que estão recebendo outros benefícios previdenciários (aposentadoria, auxilio doença, etc.), seguro desemprego ou bolsa de qualificação profissional.

Nesse contexto, no que tange o cálculo da renda dos empregados e no valor pago pelo Governo Federal, resultarão na prática duas situações distintas:

1ª) EMPREGADOS COM REDUÇÃO DE JORNADA E SALÁRIO:

PERCENTUAL DE REDUÇÃO VALOR PAGO PELO GOVERNO [PERCENTUAL DO SEGURO DESEMPREGO – SD (*)]
25% 25% do SD
50% 50% do seguro desemprego
70% 70%  do seguro desemprego

Obs.: (*) valores do SD:

Média Salarial Forma de Cálculo
Até R$ 1.599,61 Multiplica-se salário médio por 0.8 = (80%).
De R$ 1.599,62 a R$ 2.666,29 A média salarial que exceder a R$ 1.599,61 multiplica-se por 0,5 (50%) e soma-se a R$ 1.279,69.
Acima de R$ 2.666,29 O valor da parcela será de R$ 1.813,03, invariavelmente.

­

2ª) EMPREGADOS COM SUSPENSÃO DO CONTRATO DE TRABALHO:

VALOR PAGO PELO EMPREGADOR VALOR PAGO PELO GOVERNO [PERCENTUAL DO SEGURO DESEMPREGO – SD(*)]
Facultativo (pode não pagar) 100% do SD
Obrigatório (30 % salário do empregado) 70% do SD

­­
1. BREVES COMENTÁRIOS À MP 936/2020

O primeiro aspecto a ser destacado é que a Medida Provisória somente tem aplicabilidade para os empregadores que pretendem manter os contratos de trabalho, por acreditarem que após a pandemia suas atividades econômicas terão continuidade, ou seja, NÃO se aplica para empregadores que optarem por rescindir o contrato de trabalho.

De fato, o artigo 2º da MP 936/2020 é claro ao definir como objetivos da norma: (I) preservar o emprego e a renda; (II) garantia a continuidade das atividades laborais e empresariais e; (III) reduzir o impacto social decorrentes das consequências  do estado de calamidade pública e de emergência da saúde pública.

Há se que salientar o caráter de excepcionalidade e de provisoriedade da referida norma(MP 936/2020), no sentido de que, sendo cessada a pandemia ou encerrado o prazo da redução ou da suspensão previsto no acordo individual ou coletivo, haverá o imediato retorno ao statu quo ante, isto é, os salários, jornadas e todos os demais direitos e obrigações do contrato de trabalho voltam a vigorar.

Outro aspecto fundamental é que qualquer que seja a medida adotada pelo empregador (redução ou suspensão), resultará na ESTABILIDADE PROVISÓRIA/garantia de emprego durante o período da redução ou da suspensão e após o restabelecimento do contrato de trabalho/retorno das atividades normais pelo mesmo período, nos termos do artigo 10 da MP 936/2020.

Disto decorre que o empregado tem seu emprego garantido, não podendo ser dispensado por vontade do empregador, salvo por justa causa ou por pedido de demissão.

Caso seja descumprida a regra da garantia do emprego, ou seja, o empregador rompa o contrato de trabalho sem justa causa sujeitara o empregador ao pagamento das verbas rescisórias/indenização rescisória (aviso prévio, férias, décimo terceiro proporcionais, multa de depósitos fundiários, saldo salarial) e será penalizado com uma indenização adicional (art. 10, §1º, II a II da MP 936/20)  de 50%, 75% ou 100% do salário que o empregado teria direito no período de garantia provisória, assim entendido como percentual sobre a somatória dos salários devidos no período da garantia de emprego.

Ganha destaque, ainda, que na redução do salário e da jornada tem que ser preservado/considerado o valor do salário hora do empregado (art.7º, I. MP 936/2020).

Assim, os empregadores devem ponderar que o salário hora seja acrescido das demais parcelas pagas habitualmente e que integram o cálculo, tais como, adicionais noturno, gratificações por tempo de serviço, insalubridade, etc.), considerando a cristalizada jurisprudência do C. Tribunal Superior do Trabalho, podendo ser lembradas, as Sumulas60,132,139,226,264 e 340 do C TST.

No tocante a suspensão do contrato de trabalho, foram garantidos todos os demais benefícios aos empregados, tais como, plano de saúde, vale refeição, o que poderá acarretar custos e efeitos nefastos aos empregadores.

Por fim, entendemos que a Medida Provisória certamente ensejará discussões futuras, tanto nos seus aspectos de constitucionalidade (por exemplo, a irredutibilidade salarial sem acordo coletivo em todas as hipóteses previstas na MP 936/20), quanto nos aparentes conflitos de normas  ( por exemplo, alteração prejudicial ao empregado e natureza jurídica da ajuda mensal), motivo pelo qual, os empregados e empregadores devem tomar várias cautelas quando da interpretação e aplicação dessa Medida Provisória.

Nosso escritório se coloca à disposição para  assessorar os clientes e parceiros nesse momento tão delicado para todos.

­

Antonio Carlos Matteis de Arruda Junior
antonio.arruda@velloza.com.br
Tel 55 (11) 3145 0079

­ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).
Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 619

Lei do Estado de São Paulo revoga benefício do IPVA para locadoras de veículos No último dia 15 de outubro…

23 de outubro de 2020 em News Tributário

Leia mais >

News CARF

Acórdãos CARF em Destaque ­ Nesta edição, destacamos acórdãos do CARF publicados até 09/2020 acerca de temas relevantes, organizados por…

15 de outubro de 2020 em News CARF

Leia mais >