News Mercado de Capitais Nº 488

14/12/2018 em News Mercado de Capitais

CVM implementa a primeira fase do Projeto Estratégico de Redução de Custo de Observância com a edição da Instrução CVM nº 604, de 13/12/2018, que altera dezesseis Instruções e revoga outras cinco

14 de dezembro de 2018

Escopo do Projeto Estratégico de Redução de Custo de Observância

O Projeto Estratégico de Redução de Custo de Observância foi elaborado pela CVM com o objetivo de reduzir os custos derivados da observância de normas, a partir da diminuição das redundâncias existentes nas instruções, visando, desta forma, atrair recursos internacionais a partir do aumento da eficiência do mercado brasileiro.

De acordo com a CVM, as mudanças realizadas neste primeiro momento foram menos complexas e de baixo impacto para o mercado de capitais, direcionadas a situações específicas e pontuais, principalmente a partir da revisão de normas que atualmente se encontram sobrepostas e contraditórias em relação à normas mais recentes.

Normas Revogadas

A Instrução CVM nº 604/18 revoga as Instruções nº 72/87 (atualização monetária de dividendos), 116/90 (carteira própria de sociedades distribuidoras), 117/90 (carteira própria de sociedades corretoras), 296/98 (oferta pública de contratos de investimento coletivo) e 297/98 (norma de suspensão de negociação em mercados secundários) com o intuito de diminuir os custos decorrentes de procedimentos operacionais considerados desnecessários e, além disso, eliminar a situação de sobreposição e contradição com relação às normas supervenientes.

Principais Alterações

Destacamos dentre as alterações a revogação do dispositivo da Instrução CVM nº 555/14 (norma geral de fundos de investimento) que estabelecia a existência do Formulário de Informações Complementares para fundos de investimento, revogando, consequentemente, a obrigatoriedade de apresentação deste documento pelos administradores dos fundos.

Com a eliminação do Formulário de Informações Complementares, a política de voto adotada para o fundo e a tributação aplicável devem continuar sendo disponibilizadas aos investidores, mas sob outra forma, a critério do administrador e do distribuidor, podendo (ou não) constar do regulamento do fundo.

Foram feitas inclusões de matérias que poderão ser alteradas nos regulamentos do fundo sem a necessidade de aprovação da Assembleia Geral de Cotistas, abrangendo as possibilidades no caso de exigências de entidade administradora de mercados organizados onde as cotas do fundo sejam admitidas à negociação, ou de entidade autorreguladora, além da redução da taxa de custódia.

Por sua vez, Instrução CVM nº 472/08 (norma de fundos imobiliários) foi alterada de maneira a compatibilizar a dinâmica de alteração do regulamento dos fundos imobiliários com as disposições da Instrução CVM nº 555/14, nas hipóteses em que não há necessidade de aprovação da Assembleia Geral de Cotistas.

A norma também alterou a Instrução CVM nº 400/03 (norma de ofertas públicas) para extinguir a necessidade de entrega do prospecto de ofertas públicas na forma impressa, devendo ser encaminhado somente na forma eletrônica.

No que tange ao relatório de controles internos, a CVM uniformizou as disposições da Instrução CVM nº 539/13 (norma de suitability) e nº 558/15 (norma de administrador de carteiras) referentes à periodicidade de elaboração e envio do relatório de controles internos para cumprimento de regras e procedimentos pelo diretor responsável.

Além disso, alterou as Instruções CVM nº 542/13 (norma de custódia) e nº 543/13 (norma de escrituração) para retirar a necessidade dos relatórios elaborados por auditorias independentes para verificar a efetividade dos controles internos das instituições, bem como insere dispositivos para aprimorar os procedimentos de transferência de posições em custódia e junto ao escriturador.

A Instrução CVM nº 510/11 (norma de cadastro de participantes do mercado) também foi alterada para eliminar a necessidade de apresentação da Declaração Eletrônica de Conformidade (DEC) pelos fundos de investimento, tendo em vista que estes já possuem dados cadastrais periodicamente atualizados, além de alterar o prazo de envio da DEC para os demais entes regulados.

Para mais informações, a equipe de Mercado de Capitais do Velloza, com sólida e consistente experiência na indústria de fundos de investimento e compliance, fica à disposição para esclarecer eventuais dúvidas dos nossos clientes e parceiros.

­

­

Equipe Responsável: Mercado de Capitais

Felipe Marin Vieira
(11) 3145-0055
felipe.marin@velloza.com.br

­
ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).
Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Societário Nº 568

GOVERNO REGULAMENTA PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE STARTUPS DE FORMA SIMPLIFICADA Em abril de 2019, por meio da Lei Complementar nº…

27 de março de 2020 em News Societário

Leia mais >

News Mercado de Capitais Nº 567

CVM prorroga prazos regulatórios e suspende restrições em função da pandemia do COVID-19 Em razão do agravamento dos impactos econômicos…

26 de março de 2020 em News Mercado de Capitais

Leia mais >