Meta será arrecadar 560 mil

22/09/2008 em Imprensa

Fonte: DCI

Entrevista com Dr. José Carlos Mota Vergueiro, Sócio V&G.

13

A substituição subsequënte causa polêmica devido à antecipação da tributação em relação ao comércio varejista e a indústria, que reclamam

Com a expectativa de arrecadar um adicional de R$ 560 milhões este ano, o governo paulista resolveu ampliar as áreas envolvidas nas normas de substituição tributária, criando uma nova lista, que passa a fazer parte do combate à sonegação praticada, neste caso, apenas no varejo.

Desde maio, diversos produtos – das áreasde medicamentos, bebidas alcoólicas; perfumaria, higiene pessoal, ração animal, produtos de limpeza e fonográficos; autopeças; pilhas e baterias; lâmpadas elétricas; papel; além de itens da indústria alimentícia e materiais de construção – passaram a fazer parte da relação.

“A substituição tributária é o regime em que a responsabilidade do recolhimento de um tributo devido em relação a uma determinada operação comercial, industrial ou de prestação de serviços é atribuída a outro contribuinte, que não realizou tal atividade. O objetivo é combater a informalidade e a sonegação, e não aumentar a carga tributária incidente sobre as mercadorias, explicou o professor Carlos Alberto Pereira, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA-USP).

Lembrando que a substituição tributarista é um tema presente nas discussões sobre tributação desdea década de 70, apenas em 1993, a Emenda Constitucional nº 3/93 autorizou a prática dessa substituição. Com a medida, a União, os estados e municípios puderam usar esse instrumento com base constitucional. Por conta disso, o professor da FEA-USP salienta que hoje existem três tipos de substituição tributária: antecedente, concomitante e subsequënte.

“A antecedente consiste no diferimento e é bem comum no setor agropecuário. A concomitante é mais em serviços de frete. A substituição subsequënte é a que causa polêmica”. Neste caso, a polêmica consiste em uma antecipação da tributação em relação aos fatos geradores que ainda não ocorreram.

Insatisfação

O empresário é lesado quando o governo exige que os contribuintes do setores de varejo paguem o ICMS correspondente à substituição tributária. A afirmação, ácida, é do sócio do escritório Velloza, Girotto e Lindenbojm Advogados Associados (VGL), José Carlos Mota Vergueiro, que é advogado e especialista em tributação. Segundo ele, “são penalizados, (os contribuintes), à medida que são obrigados a recolher o ICMS juntamente como demais tributos”, explicou.

Vergueiro exemplifica ainda que uma indústria paulista de autopeças, por exemplo, quando vende suas mercadorias a um comerciante no Estado de São Paulo, deve aplicar a substituição tributária, de forma que esse comerciante, se inscrito no Supersimples, terá também de recolher o ICMS sobre a parcela do seu faturamento, relativo à mesma mercadoria já tributada pela indústria.

Para o advogado, há imperfeição no sistema e isso gera grande insatisfação dos contribuintes. Ele diz que isso ocorre porque o governo paulista passou a exigir o ICMS/ST sobre o valor do estoque. Ou seja, “o contribuinte que ano passado não estava sujeito ao regime da substituição, e adquiriu mercadorias, agora é obrigado a recolher o referido imposto sobre o valor do seu estoque, mesmo sem certeza de comercializá-lo”.

A opinião é partilhada pelo professor  da FEA-USP Carlos Alberto Pereira . “O tema é  polêmico porque está vinculado a fatos futuros. Nem sempre se recolhe o justo. Por exemplo, se o preço presumido do produto ao consumidor final for igual a R$ 100 e o varejista praticar um preço menor, a indústria recolherá mais. Neste caso, a tributação incidiria sobre um preço maior do que o praticado, o que tem até mesmo levado algumas empresas a entrarem com algumas medidas judiciais”, disse.

Vergueiro acredita que a solução mais viável seria excluir o percentual do ICMS previsto no Supersimples quando as operações realizadas pelo contribuinte estiverem sujeitas à substituição tributária. Ele acredita que a prática causa aumento generalizado de preços. “Existem bons argumentos para questionar a obrigatoriedade do imposto, ressalta. Em contrapartida, Otávio Pineis Júnior, que é coordenador da Administração Tributária da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, explica que, neste cenário, o contribuinte “passará a receber as mesmas mercadorias, no dia seguinte, já com o imposto recolhido pelo fabricante e estará desobrigado de recolher qualquer imposto quando der saídas dessas mercadorias.

Fernando Teixeira

Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Societário Nº 568

GOVERNO REGULAMENTA PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE STARTUPS DE FORMA SIMPLIFICADA Em abril de 2019, por meio da Lei Complementar nº…

27 de março de 2020 em News Societário

Leia mais >

News Mercado de Capitais Nº 567

CVM prorroga prazos regulatórios e suspende restrições em função da pandemia do COVID-19 Em razão do agravamento dos impactos econômicos…

26 de março de 2020 em News Mercado de Capitais

Leia mais >