Governança corporativa e remuneração de dirigentes

11/09/2013 em Velloza na Imprensa

Monitor Digital

11 de setembro de 2013

Artigo de José Carlos Mota Vergueiro e Michelle Rosa Ferreira – Sócio e Advogada V&G

OPINIÃO DO ESPECIALISTA
Decorrido pouco mais de um ano da eficácia da Resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) nº. 3.921/10, a qual dispôs sobre a política de remuneração de administradores de instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, nota-se claramente que o mercado financeiro vem se adaptando gradativamente às normas previstas na citada Resolução.

Se examinarmos a origem para a regulamentação desse assunto no Brasil, não há dúvidas de que a mesma foi provocada pela enorme crise financeira que assolou Wall Street em 2008, gerando, em consequência, uma crise de proporções internacionais sem precedentes, na qual a opinião pública, tanto local quanto internacional, se rebelou contra a generosa remuneração paga pelos bancos a seus altos executivos, em contraste com o empobrecimento da maioria da população, tendo em vista que milhões de trabalhadores perderam suas respectivas casas e empregos.
Não podemos nos esquecer de que, antes mesmo dessa crise, iniciou-se nos Estados Unidos e no Reino Unido a um movimento denominado corporate governance, capaz de possibilitar maior transparência das sociedades aos seus acionistas, gestores, investidores e demais partes interessadas (stakeholders). Como marco inicial, nos Estados Unidos foi criada em 2002 a Sarbanes-Oxley Act, a qual passou a exigir das organizações maior transparência e detalhes nas suas demonstrações financeiras.
Fazendo-se uma pequena associação, no Brasil, esse movimento ganhou espaço com a alteração da Lei das Sociedades Anônimas e a criação do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), o qual, por sua vez, lançou o Código Brasileiro das Melhores Práticas de Governança Corporativa, introduzindo no país uma filosofia de boas condutas corporativas. Dentre elas, podemos citar a vinculação da remuneração dos dirigentes aos resultados da organização, com metas claras e objetivas que possam agregar valor a companhia, sem expô-la a riscos excessivos.
Por seu turno, a Suíça, a fim de mitigar o pagamento de remunerações abusivas, recentemente aprovou, por meio de plebiscito, lei que, entre outros tópicos, proíbe a concessão de bônus e incentivos pagos na rescisão ou contratação de executivos, limitando o nível salarial dos mesmos, cuja fixação sempre dependerá de aprovação da assembléia geral dos acionistas. A partir de então, espera-se maior visibilidade, controle e limitação das remunerações a serem pagas aos executivos daquele país, pois verbas que há pouco tempo eram destinadas à contratação, retenção ou demissão, serão agora apropriadas como lucros.
Embora essa medida possa resultar numa reação negativa por parte daqueles que serão atingidos pela nova legislação – dirigentes e executivos – a Suíça deu enorme passo em direção à governança corporativa.
Contudo, normas como essa que restringem à iniciativa privada, verdadeiro pilar da economia num sistema capitalista como o nosso. Portanto, no Brasil, eventuais restrições, como as impostas na Suíça, precisariam ser analisadas à luz da Constituição Federal, com o objetivo de não ferir princípios que norteiam a nossa ordem econômica. A esse propósito, a Resolução CMN nº. 3.921/10 mostrou-se oportuna e adequada à ordem jurídica brasileira, na medida em que o Sistema Financeiro Nacional passou a exigir das instituições financeiras maior transparência e responsabilidade na condução de suas políticas de remuneração.
José Carlos Mota Vergueiro e Michelle Rosa Ferreira – Sócio e advogada do escritório Velloza & Girotto Advogados Associados
jcvergueiro@vellozaegirotto.com.br e michelle.ferreira@vellozaegirotto.com.br

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. DÚVIDAS E ESCLARECIMENTOS SOBRE AS MATÉRIAS AQUI VEICULADAS DEVERÃO SER DIRIGIDAS AO V&G.

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 453

Justiça Federal de São Paulo reconhece que empresas de leasing podem excluir as receitas financeiras da base de cálculo do…

12 de julho de 2018 em News Tributário

Leia mais >

News Especial Nº 452

Projeto de Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais é aprovado pelo Senado Federal 11 de julho de 2018 Foi…

11 de julho de 2018 em Legislação

Leia mais >