Fim do voto de qualidade deve ser vetado

5/10/2017 em Velloza na Imprensa

Fonte: Valor Econômico

05 de outubro de 2017

Por Joice Bacelo e Beatriz Olivon

Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) – incluído pela Câmara dos Deputados na Medida Provisória (MP) do Refis, de nº 783 – não deve passar pelo crivo da Presidência da República. Essa é uma aposta tanto de advogados tributaristas, mesmo esse sendo um pleito antigo dos contribuintes, como a de auditores fiscais.

A questão, que ainda passará por votação no Senado, é polêmica e geralmente provoca divergências entre contribuintes e o Fisco. Isso porque apesar de o conselho ser composto por representantes dos dois lados, o chamado voto de qualidade, que desempata os julgamentos, é sempre do presidente da turma. E os presidentes são sempre representantes da Fazenda.

Por essa fórmula, então, a tendência é de, em caso de empate, o contribuinte sair derrotado. Não é usado majoritariamente, mas já ocorreu em discussões tributárias envolvendo bilhões de reais. Agora, pela emenda aprovada na MP do Refis, quando houver empate, a empresa vencerá o processo.

Diretor de estudos técnicos da Unafisco – Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil, Mauro Silva, pondera, no entanto, que quando o contribuinte perde um processo na instância administrativa, ele pode recorrer da decisão à Justiça (como tem ocorrido). Mas se a Fazenda for a derrotada, a discussão se encerra ali.

Por esse motivo, para ele, o fim do voto de qualidade, se levado adiante, tem potencial para extinguir o Carf. Isso porque passaria a permitir que a Fazenda também pudesse buscar o Judiciário.

“A Fazenda só perde no Carf hoje quando um de seus representantes vota com o contribuinte. É por isso que se entende, juridicamente, que não haveria legitimidade para recorrer à Justiça”, diz Mauro Silva. “O que pode acontecer agora é o contribuinte vencer sem que nenhum representante do Fisco concorde. E isso dará legitimidade para que a União recorra à Justiça”, completa.

Ele acrescenta que não faria sentido investir dinheiro público se “todos os casos fossem parar no Judiciário”. Esse é um dos motivos para que entenda que o Ministério da Fazenda recomendará o veto à Presidência – se a questão passar pelo Senado.

Advogados, no entanto, discordam desse entendimento e tem uma outra explicação para um possível veto à medida. Luiz Gustavo Bichara, do Bichara Advogados, por exemplo, diz que é questão pacificada há mais de uma década no Judiciário a impossibilidade de a União recorrer das decisões. “Uma coisa não tem nada a ver com a outra”, afirma.

Para os tributaristas, a possibilidade de veto se explicaria pela forma como foi incluído na MP. Advogados citam que o Supremo Tribunal Federal (STF) já decidiu que não são válidas as inclusões de matéria estranha à principal, os chamados “jabutis”. “Poderá haver um questionamento da forma de aprovação da medida”, diz Luiz Paulo Romano, do escritório Pinheiro Neto Advogados.

O advogado Tiago Conde, do escritório Sacha Calmon, concorda que a mudança aprovada pela Câmara é positiva, mas precisa do processo legislativo correto. Enquanto que o advogado Leandro Cabral, do escritório Velloza Advogados, entende que ainda que a alteração não seja aprovada nesse formato – com o desempate sempre favorável ao contribuinte – a regra vigente precisa de revisão.

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. FICAMOS À DISPOSIÇÃO PARA EVENTUAIS ESCLARECIMENTOS SOBRE A(S) MATÉRIA(S) AQUI VEICULADA(S).

VER TAMBÉM

News Especial Nº 461

Aspectos Relevantes da Lei Brasileira de Proteção de Dados (LBPD) 21 de agosto de 2018 No último dia 14 de…

21 de agosto de 2018 em Legislação

Leia mais >

News Tributário Nº 460

DITR 2018 17 de agosto de 2018 A Receita Federal do Brasil publicou em 31 de julho de 2018, a…

17 de agosto de 2018 em News Tributário

Leia mais >