Exclusão de provisões do cálculo da Cofins

29/09/2016 em Velloza na Imprensa

Fonte: Valor Econômico

29 de setembro de 2016

Artigo escrito pelos Drs. Luiz Eduardo de C. Girotto e Leonardo A. Andrade, Sócios V&G.

Nos tempos atuais, houve um aumento significativo na inadimplência, obrigando as instituições financeiras a aumentar a provisão para crédito de liquidação duvidosa (PCLD). Apenas para citar dois exemplos, o Banco do Brasil teve um aumento de 61,7% na constituição de sua PCLD e a Caixa Econômica Federal de 39,8%. Tal situação, além de ilegal, impacta diretamente até mesmo no custo do crédito.

O presente artigo pretende, no entanto, demonstrar que o risco de inadimplência gera um efeito tributário que, embora nem sempre notado pelas instituições financeiras, é extremamente relevante em termos econômicos.

Isso porque, com o início de produção de efeitos da Lei n° 12.973, de 2014, enquanto aguardam que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgue o recurso extraordinário selecionado para a definição da extensão da base de cálculo do PIS e da Cofins entre 1999 e 2014, as instituições financeiras passaram a pagar as referidas contribuições sobre as receitas de sua atividade principal, incluindo, portanto, as receitas de intermediação financeira.

Recomenda-se o ajuizamento preventivo de medida judicial para garantir a exclusão, pelos bancos, da PCLD

Apenas lembrando que o Supremo Tribunal Federal, em 9 de novembro de 2005, declarou inconstitucional a base de cálculo do PIS e da Cofins prevista na Lei n° 9.718, de 1998. Isso porque a Emenda Constitucional n° 20, que alargou a  competência da União para cobrar as contribuições sociais PIS e Cofins, não entrou em vigor a tempo de permitir o alargamento, o que maculou referida lei, que entrou em vigor antes da referida emenda constitucional, de inconstitucionalidade.

Nada obstante, as instituições financeiras e entidades a elas equiparadas ainda aguardam uma posição do Supremo Tribunal Federal, em recurso extraordinário com repercussão geral, a respeito da aplicação da referida limitação quantitativa das contribuições ao PIS e da Cofins sobre as suas atividades, uma vez que a Procuradoria-Geral da Fazenda  Nacional (PGFN) defende que não só os serviços compõem o faturamento das referidas instituições, mas também todas as atividades vinculadas ao seu objeto social, inclusive o spread bancário.

Ocorre que, antecipando-se à referida decisão da Suprema Corte, o próprio Poder Executivo editou uma medida provisória no final do ano de 2013, a qual foi convertida na Lei n° 12.973, de 2014, aditando a base de cálculo do PIS e da Cofins outrora definida pela Lei n° 9.718, de 1998, para finalmente adequá-la ao ordenamento jurídico emendado em 1998, estabelecendo que as receitas da atividade principal da pessoa jurídica devem ser incluídos na base de cálculo do PIS e Cofins, independentemente de estarem ou não vinculadas a operações de venda de mercadorias ou de prestações de serviços.

Considerada a nova realidade, dado que os antigos argumentos quanto à inconstitucionalidade da Lei n° 9.718, de 1998,  não podem ser invocados frente à nova legislação, passa a ser imperativo às instituições financeiras observar as exclusões permitidas pela própria lei na base de cálculo do PIS e da Cofins. Nesse contexto, destaca-se o artigo 30, parágrafo 6º, I, a, da Lei n° 9.718, de 1998, que autoriza os “bancos comerciais, bancos de investimentos, bancos de desenvolvimento, caixas econômicas, sociedades de crédito, financiamento e investimento, sociedades de crédito   imobiliário, sociedades corretoras, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil e cooperativas de crédito” a excluírem da base de cálculo das contribuições “despesas incorridas nas operações de intermediação financeira”.

As instituições financeiras têm por atividade principal a “intermediação ou aplicação de recursos financeiros próprios ou de terceiros”, ou seja, em simplificação, captação de recurso junto aos agentes superavitários e colocação desses recursos à disposição dos agentes deficitários.

No desenvolvimento da atividade de intermediação financeira, portanto, a instituição assume o risco do não pagamento dos tomadores do crédito por ela concedido (i.e. na ponta aplicação), sendo que eventual inadimplência de fato constituiria perda intrínseca a tal atividade por ela exercida.

Não por outra razão, às instituições financeiras é imposta a constituição de PCLD pela Resolução CMN no 2.682, de 1999, sendo oportuno, ainda, ressaltar que no plano de contas Cosif, a PCLD é subitem de “despesas da intermediação financeira”.

No plano fiscal, ao lado da previsão legal de exclusão já mencionada, figuram algumas instruções normativas e um parecer da Procuradoria da Fazenda Nacional, que permitem a interpretação proposta, no sentido de ser possível excluir a PCLD da base de cálculo do PIS e da Cofins como despesa de intermediação financeira.

Conforme destacado no início, o impacto financeiro com a ausência da referida exclusão nas bases de cálculo do PIS e da Cofins, na atual conjuntura econômica, é extremamente relevante.

Todavia, é válido ressaltar que a exclusão da PCLD da base de cálculo dos tributos sem uma proteção judicial poderá sujeitar o contribuinte a autuações, com a imposição da pesada multa de 75%.

Por essa razão, recomenda-se o ajuizamento preventivo de medida judicial objetivando garantir a exclusão, pelas instituições financeiras, da PCLD da base de cálculo do PIS e da Cofins.

 

Luiz Eduardo de Castilho Girotto e Leonardo Augusto Andrade são sócios do Velloza & Girotto Advogados

Este artigo reflete as opiniões do autor, e não do jornal Valor Econômico. O jornal não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 460

DITR 2018 17 de agosto de 2018 A Receita Federal do Brasil publicou em 31 de julho de 2018, a…

17 de agosto de 2018 em News Tributário

Leia mais >

News Tributário Nº 459

TRF3 reconhece a não inclusão do ISS e das próprias contribuições na base de cálculo do PIS/COFINS sobre a importação…

16 de agosto de 2018 em News Tributário

Leia mais >