Exclusão de provisões do cálculo da Cofins

29/09/2016 em Velloza na Imprensa

Fonte: Valor Econômico

29 de setembro de 2016

Artigo escrito pelos Drs. Luiz Eduardo de C. Girotto e Leonardo A. Andrade, Sócios V&G.

Nos tempos atuais, houve um aumento significativo na inadimplência, obrigando as instituições financeiras a aumentar a provisão para crédito de liquidação duvidosa (PCLD). Apenas para citar dois exemplos, o Banco do Brasil teve um aumento de 61,7% na constituição de sua PCLD e a Caixa Econômica Federal de 39,8%. Tal situação, além de ilegal, impacta diretamente até mesmo no custo do crédito.

O presente artigo pretende, no entanto, demonstrar que o risco de inadimplência gera um efeito tributário que, embora nem sempre notado pelas instituições financeiras, é extremamente relevante em termos econômicos.

Isso porque, com o início de produção de efeitos da Lei n° 12.973, de 2014, enquanto aguardam que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgue o recurso extraordinário selecionado para a definição da extensão da base de cálculo do PIS e da Cofins entre 1999 e 2014, as instituições financeiras passaram a pagar as referidas contribuições sobre as receitas de sua atividade principal, incluindo, portanto, as receitas de intermediação financeira.

Recomenda-se o ajuizamento preventivo de medida judicial para garantir a exclusão, pelos bancos, da PCLD

Apenas lembrando que o Supremo Tribunal Federal, em 9 de novembro de 2005, declarou inconstitucional a base de cálculo do PIS e da Cofins prevista na Lei n° 9.718, de 1998. Isso porque a Emenda Constitucional n° 20, que alargou a  competência da União para cobrar as contribuições sociais PIS e Cofins, não entrou em vigor a tempo de permitir o alargamento, o que maculou referida lei, que entrou em vigor antes da referida emenda constitucional, de inconstitucionalidade.

Nada obstante, as instituições financeiras e entidades a elas equiparadas ainda aguardam uma posição do Supremo Tribunal Federal, em recurso extraordinário com repercussão geral, a respeito da aplicação da referida limitação quantitativa das contribuições ao PIS e da Cofins sobre as suas atividades, uma vez que a Procuradoria-Geral da Fazenda  Nacional (PGFN) defende que não só os serviços compõem o faturamento das referidas instituições, mas também todas as atividades vinculadas ao seu objeto social, inclusive o spread bancário.

Ocorre que, antecipando-se à referida decisão da Suprema Corte, o próprio Poder Executivo editou uma medida provisória no final do ano de 2013, a qual foi convertida na Lei n° 12.973, de 2014, aditando a base de cálculo do PIS e da Cofins outrora definida pela Lei n° 9.718, de 1998, para finalmente adequá-la ao ordenamento jurídico emendado em 1998, estabelecendo que as receitas da atividade principal da pessoa jurídica devem ser incluídos na base de cálculo do PIS e Cofins, independentemente de estarem ou não vinculadas a operações de venda de mercadorias ou de prestações de serviços.

Considerada a nova realidade, dado que os antigos argumentos quanto à inconstitucionalidade da Lei n° 9.718, de 1998,  não podem ser invocados frente à nova legislação, passa a ser imperativo às instituições financeiras observar as exclusões permitidas pela própria lei na base de cálculo do PIS e da Cofins. Nesse contexto, destaca-se o artigo 30, parágrafo 6º, I, a, da Lei n° 9.718, de 1998, que autoriza os “bancos comerciais, bancos de investimentos, bancos de desenvolvimento, caixas econômicas, sociedades de crédito, financiamento e investimento, sociedades de crédito   imobiliário, sociedades corretoras, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil e cooperativas de crédito” a excluírem da base de cálculo das contribuições “despesas incorridas nas operações de intermediação financeira”.

As instituições financeiras têm por atividade principal a “intermediação ou aplicação de recursos financeiros próprios ou de terceiros”, ou seja, em simplificação, captação de recurso junto aos agentes superavitários e colocação desses recursos à disposição dos agentes deficitários.

No desenvolvimento da atividade de intermediação financeira, portanto, a instituição assume o risco do não pagamento dos tomadores do crédito por ela concedido (i.e. na ponta aplicação), sendo que eventual inadimplência de fato constituiria perda intrínseca a tal atividade por ela exercida.

Não por outra razão, às instituições financeiras é imposta a constituição de PCLD pela Resolução CMN no 2.682, de 1999, sendo oportuno, ainda, ressaltar que no plano de contas Cosif, a PCLD é subitem de “despesas da intermediação financeira”.

No plano fiscal, ao lado da previsão legal de exclusão já mencionada, figuram algumas instruções normativas e um parecer da Procuradoria da Fazenda Nacional, que permitem a interpretação proposta, no sentido de ser possível excluir a PCLD da base de cálculo do PIS e da Cofins como despesa de intermediação financeira.

Conforme destacado no início, o impacto financeiro com a ausência da referida exclusão nas bases de cálculo do PIS e da Cofins, na atual conjuntura econômica, é extremamente relevante.

Todavia, é válido ressaltar que a exclusão da PCLD da base de cálculo dos tributos sem uma proteção judicial poderá sujeitar o contribuinte a autuações, com a imposição da pesada multa de 75%.

Por essa razão, recomenda-se o ajuizamento preventivo de medida judicial objetivando garantir a exclusão, pelas instituições financeiras, da PCLD da base de cálculo do PIS e da Cofins.

 

Luiz Eduardo de Castilho Girotto e Leonardo Augusto Andrade são sócios do Velloza & Girotto Advogados

Este artigo reflete as opiniões do autor, e não do jornal Valor Econômico. O jornal não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações

VER TAMBÉM

Velloza Ata de Julgamento

05/12 2ª Turma REsp nº 1.701.225– Fazenda Nacional x  SKAT PROMOCOES E EVENTOS LTDA – Min. HERMAN BENJAMIN Tema: Ocorrência de…

12 de dezembro de 2017 em Velloza Ata de Julgamento

Leia mais >

News Legal & Bancário Nº 418

Alterações nas regras que tratam do regimento interno do Bacen e na remuneração de operações ativas e passivas e inovações…

11 de dezembro de 2017 em News Legal e Bancário

Leia mais >