Empresas de leasing tentam barrar ISS

5/12/2008 em Imprensa

Fonte: Gazeta Mercantil

Entrevista com Dr. Luiz Girotto, Sócio V&G.

14

São Paulo, 5 de Setembro de 2008 – A disputa judicial entre as prefeituras e as empresas de leasing (modalidade de financiamento de bens) sobre a cobrança do Imposto sobre Serviços (ISS) teve mais um desdobramento ontem com uma decisão do Superior Tribunal de Justiça. O tribunal manteve 59 autos de infração emitidos pelo município de Santo Antônio da Patrulha (RS) contra a Volkswagen Leasing S/A Arrendamento Mercantil para a cobrança de ISS devido sobre operações de arrendamento mercantil. A Corte entendeu que municipalidade competente para realizar a cobrança do ISS é a do local da prestação dos serviços, onde ocorre o fato gerador do imposto. Ou seja, no destino do bem e não no local da sede da empresa.

A estimativa, segundo o advogado Luiz Eduardo de Castilho Girotto, do Velloza, Girotto e Lindenbojm Advogados, é que mais de 200 prefeituras tenham movido ação contra empresas de leasing reivindicando o pagamento do imposto no local da venda do veículo. “A tese começou a ser usada pelas prefeituras em 2003 e elas retroagiram a cobrança dez anos”, explica o advogado. De acordo com ele, há casos de clientes seus que foram autuados em mais de R$ 4 milhões. Apenas o seu escritório tem mil ações em andamento, que representam mais de R$ 800 milhões.

Cobrança 
A prefeitura de Ribeirão Preto (SP) é um dos municípios que estão reivindicando o pagamento do ISS no local da compra do veículo. Segundo o secretário da Fazenda, Afonso Reis Duarte, o município tem mais de 50 ações pleiteando o pagamento do imposto. “Levantamos contratos até o final de 2005 e tínhamos, à época, R$ 33 milhões para receber. Hoje esse montante passa de R$ 40 milhões”, garante o secretário ao afirmar que ainda não foi apurado nem feito o lançamento a partir de 2006. “Temos cinco anos para isso”, afirma. “A receita do município é de R$ 800 milhões, sem dúvida esse é um valor bastante expressivo e poderia ser destinado a investimento.” Ainda segundo ele, em primeira instância, 52% das decisões de primeira instância são favoráveis aos municípios.

Essa é apenas umas das demandas envolvendo as empresas de leasing e as prefeituras. Outra disputa, que será decidida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), é sobre a incidência do imposto nesse tipo de operações. As empresas alegam que o leasing não constitui serviço porque não é uma obrigação de fazer, como definiu o STF. Mas sim uma obrigação de dar. “O leasing é uma locação pura sem a obrigação de fazer”, afirma o advogado Rodrigo Chohfi, do escritório Porto Advogados.

Impacto
A decisão do Supremo é aguardada com ansiedade pelas empresas do setor. Especialmente com o crescimento dessa modalidade de financiamento. Segundo informações da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef), o leasing já representa 38% das vendas de veículos e ultrapassou o Crédito Direto ao Consumidor (CDC), modalidade tradicionalmente líder no financiamento de carros.

Enquanto não há uma decisão do Supremo, prefeituras disputam entre si quem vai ficar com a receita. “Por enquanto, os clientes são obrigados a entrar com uma ação na Justiça para pagar o imposto em apenas um lugar e deixar que os municípios briguem entre si para saber quem vai ficar com o valor”, diz o advogado Rodrigo Chohfi. Essa é uma das maneiras encontradas para evitar a dupla tributação.Mas Chohfi diz estar convencido de uma decisão favorável no STF. “Há um entendimento do Supremo de que não teria que pagar ISS na locação de bens móveis e isso, com certeza, será levado também para o arrendamento mercantil”, afirma o advogado.

“Os tribunais de Justiça de São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul já reconheceram que não há incidência de ISS nessas operações. Hoje só o de Santa Catarina é desfavorável às empresas”, diz Girotto. “E no STJ, eles não entraram no mérito da discussão”, complementa o advogado. “Não há dúvida nenhuma que o ISS é devido”, diz o secretário de Ribeirão Preto.
(Gazeta Mercantil/Caderno A – Pág. 10)(Gilmara Santos)

Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Bancário Nº 620

SANDBOX BACEN: 5 Pontos que Você Precisa Saber   1)  O que é o Sandbox? ⇒  ambiente único para a…

27 de outubro de 2020 em News Bancário

Leia mais >

News Tributário Nº 619

Lei do Estado de São Paulo revoga benefício do IPVA para locadoras de veículos No último dia 15 de outubro…

23 de outubro de 2020 em News Tributário

Leia mais >