Advogada comenta competência exclusiva do BC para fiscalizar atos de concentração

21/07/2014 em Velloza na Imprensa

Migalhas

Entrevista com a Dra. Camilla Sisti, Advogada Associada V&G.

Recente decisão do STF negou seguimento a recuso no qual o Cade questionava a competência exclusiva do BC para fiscalizar atos de concentração aquisição e fusão no setor financeiro.

O Conselho foi ao STF para discutir sua atribuição no caso relativo à compra do Banco BCN pelo Bradesco, ocorrida nos anos 1990, questionando decisão do STJ.

No entendimento do ministro Toffoli, porém, para se modificar o teor da decisão do STJ seria necessária “a reapreciação do conjunto fático probatório que permeia a causa, bem como da legislação infraconstitucional pertinente (Leis nºs 4.594/64 e 8.884/94, e o Parecer Normativo GM-20 da AGU), o que é inadmissível na via extraordinária“.

A advogada Camilla Sisti, especialista em fusões e aquisições da área Civil e Comercial do escritório Velloza & Girotto Advogados Associados, comentou o caso.

Na visão da advogada, o aspecto mais relevante é a segurança jurídica que as partes e seus assessores passarão a ter com o encerramento das discussões sobre o suposto conflito de competência entre Cade e BC.

No passado, até mesmo após a decisão proferida pelo Superior Tribunal de Justiça a favor da competência do Banco Central, era comum se discutir a estratégia de também notificar o Cade sobre o ato de concentração e buscar sua aprovação, para evitar possíveis sanções pelo órgão no futuro. Com a definição judicial, essa estratégia tende a cair por terra.”

Camilla Sisti revela que outro ponto extremamente relevante para as partes que estiverem estruturando uma operação de M&A envolvendo instituições financeiras é a tranquilidade de contar com uma condição precedente a menos para concluir o negócio.

Agora, a análise do ato de concentração será feita sob a premissa principal de assegurar a higidez do sistema financeiro; premissa essa que, ao contrário do enfoque de análise do Cade, não costuma impor restrições para a aprovação do negócio – como, por exemplo, a venda de unidades de operação ou ativos. Garantindo, assim, a configuração original da transação pretendida.”

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. DÚVIDAS E ESCLARECIMENTOS SOBRE AS MATÉRIAS AQUI VEICULADAS DEVERÃO SER DIRIGIDAS AO V&G.

 

VER TAMBÉM

News Tributário Nº 426

Consolidação de Débitos na PGFN – Refis Federal – Leis nº 12.865/2013 (Reabertura da Lei nº 11.941/2009) 16 de fevereiro…

16 de fevereiro de 2018 em News Tributário

Leia mais >

Velloza Ata de Julgamento

REsp nº 1.180.878/RS – FAZENDA NACIONAL X ARTHUR LANGE S/A – INDÚSTRIA E COMÉRCIO – Min. Sérgio Kukina Tese: Discute…

8 de fevereiro de 2018 em Velloza Ata de Julgamento

Leia mais >