Advogada comenta competência exclusiva do BC para fiscalizar atos de concentração

21/07/2014 em Velloza na Imprensa

Migalhas

Entrevista com a Dra. Camilla Sisti, Advogada Associada V&G.

Recente decisão do STF negou seguimento a recuso no qual o Cade questionava a competência exclusiva do BC para fiscalizar atos de concentração aquisição e fusão no setor financeiro.

O Conselho foi ao STF para discutir sua atribuição no caso relativo à compra do Banco BCN pelo Bradesco, ocorrida nos anos 1990, questionando decisão do STJ.

No entendimento do ministro Toffoli, porém, para se modificar o teor da decisão do STJ seria necessária “a reapreciação do conjunto fático probatório que permeia a causa, bem como da legislação infraconstitucional pertinente (Leis nºs 4.594/64 e 8.884/94, e o Parecer Normativo GM-20 da AGU), o que é inadmissível na via extraordinária“.

A advogada Camilla Sisti, especialista em fusões e aquisições da área Civil e Comercial do escritório Velloza & Girotto Advogados Associados, comentou o caso.

Na visão da advogada, o aspecto mais relevante é a segurança jurídica que as partes e seus assessores passarão a ter com o encerramento das discussões sobre o suposto conflito de competência entre Cade e BC.

No passado, até mesmo após a decisão proferida pelo Superior Tribunal de Justiça a favor da competência do Banco Central, era comum se discutir a estratégia de também notificar o Cade sobre o ato de concentração e buscar sua aprovação, para evitar possíveis sanções pelo órgão no futuro. Com a definição judicial, essa estratégia tende a cair por terra.”

Camilla Sisti revela que outro ponto extremamente relevante para as partes que estiverem estruturando uma operação de M&A envolvendo instituições financeiras é a tranquilidade de contar com uma condição precedente a menos para concluir o negócio.

Agora, a análise do ato de concentração será feita sob a premissa principal de assegurar a higidez do sistema financeiro; premissa essa que, ao contrário do enfoque de análise do Cade, não costuma impor restrições para a aprovação do negócio – como, por exemplo, a venda de unidades de operação ou ativos. Garantindo, assim, a configuração original da transação pretendida.”

ESTE BOLETIM É MERAMENTE INFORMATIVO E RESTRITO AOS NOSSOS CLIENTES E COLABORADORES. DÚVIDAS E ESCLARECIMENTOS SOBRE AS MATÉRIAS AQUI VEICULADAS DEVERÃO SER DIRIGIDAS AO V&G.

 

Velloza Advogados |

VER TAMBÉM

News Especial Nº 461

Aspectos Relevantes da Lei Brasileira de Proteção de Dados (LBPD) 21 de agosto de 2018 No último dia 14 de…

21 de agosto de 2018 em Legislação

Leia mais >

News Tributário Nº 460

DITR 2018 17 de agosto de 2018 A Receita Federal do Brasil publicou em 31 de julho de 2018, a…

17 de agosto de 2018 em News Tributário

Leia mais >