CVM prepara regulação de modelo de investimento

13/06/2016 em Velloza na Imprensa

Fonte: Estadão

13 de junho de 2016

Entrevista com Diego Nabarro, Advogado Associado V&G.

Por Matheus Mans e Thiago Sawada

Até o final deste mês, comissão pretende lançar consulta pública para criar regras sobre o ‘equity crowdfunding’

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) deve levar à consulta pública, até o final deste mês, uma proposta para regulamentar o “equity crowdfunding” no Brasil. Investidores, empreendedores e plataformas poderão enviar suas contribuições ao longo de 60 dias.

O principal foco das novas regras é a fiscalização das startups pelas próprias plataformas por meio das quais elas captam recursos, que serão registradas pela CVM. O órgão vai definir quais informações sobre o negócio as startups deverão prestar periodicamente aos seus investidores.

Para o advogado do escritório Velloza Girotto, Diego Nabarro, as regras não podem ser muito rígidas com as plataformas, que ainda são recentes e não têm muitos recursos. “A regulamentação precisa ser na medida para não correr o risco de destruir um mercado que está surgindo agora”, diz.

Além disso, as plataformas deverão explicar o tipo de investimento e quais são seus riscos. “Como não existe um mercado secundário, os títulos têm pouca liquidez. Por isso, tem que ficar muito claro para o investidor que ele não poderá usar este dinheiro no médio prazo”, diz o superintendente de desenvolvimento de mercado da CVM, Antonio Berwanger.

A CVM pretende estabelecer limites de investimentos para pessoas que não estão muito familiarizadas com o mercado financeiro, para impedir que elas comprometam sua renda investindo em apenas uma empresa.

A regulamentação também deverá definir os valores máximos das ofertas, o tipo e o porte das empresas que podem participar e a forma como os investimentos serão feitos. No modelo atual, a startup emite títulos de dívida conversíveis, que garantem uma parte das ações da empresa em um prazo de cinco anos.

Limbo. De acordo com Berwanger, a regulamentação vai aumentar a segurança jurídica. Atualmente, o equity crowdfunding funciona com base em um regulamento de 2003 que dispensa micro e pequenas empresas do registro de oferta públicana CVM.

“Essas regras não foram pensadas para o equity crowdfunding, mas se aplicam a ele, já que as startups que procuram esta forma de captação se encaixam na qualificação de microempresa e empresa de pequeno porte”, diz o superintendente da CVM.

 

VER TAMBÉM

Velloza Ata de Julgamento

2ª Turma 10/10/2017 RESP nº 1.682.098/MG – AYMORÉ CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS.A. x ESTADO DE SÃO PAULO – Min. Herman…

13 de outubro de 2017 em Velloza Ata de Julgamento

Leia mais >

Velloza Ata de Julgamento

1ª Turma RESP nº 1.504.790/MG –Consórcio Nacional Honda Ltda x Estado de Minas Gerais – Min. Napoleão Nunes Tese: Possibilidade de…

9 de outubro de 2017 em Velloza Ata de Julgamento

Leia mais >